terça-feira, 25 de Outubro de 2011

ESBOÇO DE SERMÃO: O PREÇO DO REAVIVAMENTO


O Preço do Reavivamento
II Cronicas 7:14


Introdução
1.    II Crônicas 7:14 (ler) faz parte da resposta que Deus deu a Salomão, que orava ao Senhor, dedicando o grande e suntuoso templo de Jerusalém.

a)    Salomão pede o favor de Deus sobre o povo de Israel. O Senhor apareceu a Salomão em sonho e disse-lhe: “Se o Meu povo...”. Maravilhosa promessa de Deus! Que responsabilidade colocada sobre os ombros de Seu povo.

b)    Ser o povo de Deus é um privilégio e uma responsabilidade. A mensagem dada a Salomão nos diz respeito. Somos o povo de Deus.


2.    I Pedro 2:9 e 10 (ler).
a)    Somos o povo de Deus – o mundo observa o nosso falar, andar, pensar e agir.

3.    Mateus 5:16: “Assim brilhe também a vossa luz diante dos homens para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem a vosso Pai que está nos Céus.”
a)    Somos o povo de Deus – comprados pelo precioso sangue de Cristo para andarmos em santidade de Deus e dos homens.

I.       “Se o meu povo... Se humilhar”
1.    Notem a partícula se. Indica a possibilidade do povo afastar-se de Deus, podendo ficar privado das bênçãos do Senhor.

2.    O se também aponta o caminho de retorno a Deus. Seja qual for a distância podemos voltar. A porta é sempre esta: se.

3.    James Stuart, grande evangelista, dirigia uma campanha de reavivamento. Numa noite o Espírito Santo trouxe aos ouvintes profunda convicção dos pecados. O povo começou a confessar seus pecados encobertos, grosseiros e asqueroso. Os pastores choravam diante das confissões. Stuart não chorou. Perguntaram o porquê. Ele respondeu: “Sinto mais tristeza do que emoção; envergonho-me de estar diante de um povo que se chama ‘povo de Deus’, eleitos de Deus, escolhidos por Deus, com tais e monstruosos pecados na vida.”

a)    Se Jesus viesse hoje à nossa igreja, que encontraria? A primeira condição imposta pelo Senhor para o reavivamento é humilhar-se.

4.    O que Deus quer de Seu povo não é:
a)    Tintura de melhora no procedimento;
b)    Novos e melhores votos;
c)    Maior dose de boa vontade;
d)    Mais simpatia para com Sua causa;
e)    Passar a contribuir mais.
f)     O que Deus requer é: humilhar-se submeter-se.

5.    Isa. 57-15: “Habito com o contrito e abatido de espírito.”

6.    Mateus 5:3: “Bem-aventurado os humildes de espírito, porque deles é o reino dos Céus.”
a)    Os humildes – os pobres de espírito: a humildade é a primeira qualidade inerente à condição humana. É o oposto de orgulho, da soberba, da arrogância, da auto-suficiência etc. Submeta-se também completamente à soberania de Deus.

II.      Orar
1.   A oração é a mais poderosa arma que Deus colocou à disposição do homem. O diabo quer embaraçar nosso exercício da oração. Precisamos orar. Necessitamos da oração.

a)    Exemplos Bíblicos:
1)    Jacó no vau de Jaboque – foi uma batalha de oração; dentro de si havia o pecado do engano.
2)    Elias no Monte Carmelo.
3)    A Igreja primitiva entregou-se à oração até que do alto fosse revestida de poder. O Espírito Santo veio com grande poder.

III.    E buscar a minha face
1.    Buscar o Meu rosto, minha presença.
a)    Comunhão diária com Deus.
b)    Colocar a Deus em primeiro lugar.
c)    Sobre todas as coisas.
d)    Depender absolutamente dEle.

2.    O povo de Israel ao sair do Egito, diante do Mar Vermelho, dependeu inteiramente do Senhor – Deus realizou o impossível pelo Seu povo.

a)    Moisés conduziu o povo rumo à Canaã. Chegou à Península do Sinai. Deveria subir o monte para ver o rosto de Deus. Não voltou de mãos vazias. Moisés resplandecia.

IV.    Desviar dos seus maus caminhos
1.    Não podemos andar de qualquer maneira.
2.    Ele quer que andemos na Sua presença.
a)    E se desviar: tomar um desvio; deixar a estrada em que está; converter-se; dar meia-volta.

b)    Desviar-se de quê?
1)    Dos maus caminhos;
2)    Do mau comportamento;
3)    Péssimo padrão de vida;
4)    Conduta ruim;
5)    Deixar o pecado;
6)    Deixar a vida de compromisso com o mundo.

c)    Se desviar – Deus não obriga, não coage, não força.

3.    Nós precisamos romper com o pecado e voltar-nos a Deus. Confessemos o pecado. Endireitemos nossa vida. Precisamos responder ao Senhor com as palavras do Salmo 139:23 e 24.
a)    Depois de tudo isso vem:

V.     A bênção Divina
1.    Depois de se humilhar, de orar, buscar Sua face, desviar dos maus caminhos – a bênção celestial virá como chuva copiosa.
a)    Deus diz: “...Eu ouvirei dos Céus, perdoarei os seus pecados e sararei a sua Terra.”

b)    Deus está mais desejoso de nos dar bênçãos do que nós de recebê-las.

c)    Deus está mais pronto em ajudar-nos do que nós de sermos ajudados.

d)    A falha está sempre do nosso lado, nunca do lado de Deus.

2.    II Crônicas 7:14 – Aqui temos três elementos, todos de real valor:
a)    Uma ordem divina;
b)    O dever do cumprimento;
c)    Uma bênção decorrente.

Conclusão
1.    Este é o preço do reavivamento e da reforma:
a)    “Se meu povo, que se chama pelo meu nome, se humilhar, e orar, e buscar a Minha face, e se converter dos seus maus caminhos...” – Este é o preço exigido por Deus.

b)    “...Então, Eu ouvirei dos Céus, e perdoarei os seus pecados, e sararei a sua Terra” – é a bênção consequente.

2.    Deus está hoje esperando que estejamos dispostos a pagar o preço para que Ele possa derramar as copiosas chuvas de um reavivamento – um dos últimos que a humanidade experimentará antes da volta de Cristo.

3.    Está você disposto a pagar o preço? Estamos nós dispostos a pagar o preço? Que ouçamos a voz do Espírito Santo falando ao nosso coração. Amém!

 Pr. Afrânio Lopes Feitosa
Revista do Ancião  /  Jan – Mar 2003 - Depto de Comunicações da UCB

Luís Carlos Fonseca 

2 comentários:

  1. Estava buscando alguns esclarecimentos à cerca deste texto sagrado e o encontrei em su blog, foi uma bênção para mim. Que Deus continue lhe abençoando Pastor. Josué

    ResponderEliminar
  2. Amém Josué. Abraços e bênçãos de Jesus na sua vida.

    ResponderEliminar