quarta-feira, 15 de agosto de 2012

O Vazio Existencial do Ser Humano


O Vazio Existencial

Hoje é feriado nacional em Portugal, e logo de manhã fui fazer uma caminhada na cidade onde vivo; Silves. Por ser uma região turística, muitas pessoas estavam no seu passeio, mas é curioso que encontrei várias pessoas simplesmente sentadas nos bancos da praça e cafés da cidade, apenas olhando para os lados.

O vazio existencial tornou-se, nos nossos dias, um desafio para o homem, E na ânsia de não senti-lo, o ser humano busca no consumismo, no individualismo e na falta de limites, a resposta para seu vazio.

Vivemos em uma corrida frenética contra o tempo e contra a competitividade, o que provoca grande instabilidade emocional. A continuar assim, caminharemos para uma identidade sem valores éticos como já se constata nas instâncias de poder, no trabalho, no exército, na família, na escola e nos partidos políticos. O presente está carregado de medos e de tensões que tiram o sentimento de liberdade.


Os homens são diferentes uns dos outros, apesar de aparentemente terem algumas semelhanças. Cada um carrega consigo o código genético, uma das várias características que constitui nossa existência, e o indivíduo é que vai fazer a interação com o mundo. A construção de nossa individualidade se faz presente a partir do contato com nossos pais, irmãos, familiares mais próximos e amigos.

A criança é ensinada desde bebê a se autovalorizar. E o homem de hoje está, centrado somente no seu eu; e o que está sendo glorificado é o pensamento único, isto é, eu penso, eu faço e eu sei. Essa é uma maneira de não ser desafiado nem contestado. O homem pensa que, sendo individualista, terá o direito e o dever da livre escolha; mas, muitas vezes, isso escapa de suas mãos. Esse, eu narcísico já não está estático e paralisado diante de sua imagem ou talvez nem exista mais imagem, pois ele vai à busca interminável de si mesmo.

Muitas pessoas põem fim a vida, ou vivem em desespero, porque não conseguem encontrar respostas às suas perguntas e nem conciliar a sua formação pessoal e genética com os desafios da vida. E muita gente consome medicamentos para controlar a ansiedade e problemas da vida.

Como podemos ter a alma satisfeita e encontrar sentido na vida?

Veja este texto: “Quanto atingiu Abrão a idade de noventa e nove anos, apareceu-lhe o Senhor e disse-lhe: Eu sou o Deus Todo-Poderoso; anda na minha presença e sê perfeito.” Gên.17:1

No hebraico a expressão “Deus Todo-Poderoso” é El Shaddai, que significa: o Deus que dá de mamar ou aquele que amamenta. Sabemos que o leite materno substitui todos os alimentos para o bebê, inclusive a água. O leite materno supre todas as necessidades do bebê. O leite é o sangue transformado da mãe, e sangue é vida. Portanto, a mãe dá da sua vida para seu filho.

Quando Deus se identifica com a mãe que amamenta seu filho, está demonstrando que Ele pode nos dar Sua vida e alimentar a nossa alma para que nunca mais tenhamos fome ou sede.

Quando o pecado entrou na terra deixou a alma do homem sedenta por Deus. Adão e Eva, no paraíso, eram supridos por Deus. Sua alma era totalmente preenchida por Sua presença. A Bíblia nos relata que eles tinham todos os dias um encontro com Deus, portanto não havia, em sua alma, nenhum vazio.

Quando Adão pecou, a alma humana passou a ter um vazio, uma necessidade. Somente Deus pode preencher o vazio que se encontra na alma do homem. Porém o homem tentou e tenta preencher esse vazio com outras coisas, e não consegue. Busca desesperadamente no mundo, nas pessoas, nos bens materiais e nos relacionamentos preencher esse vazio, mas esse espaço vazio pertence apenas ao Senhor.

Ocorre que o Senhor não invade nosso coração, Ele espera um convite para entrar e fazer moradas. Em Apocalipse 3:20 diz: “Eis que estou à porta e bato; se alguém ouvir a minha voz e abrir a porta, entrarei em sua casa e cearei com ele, e ele comigo”. 

Quando detectamos o vazio de nossa alma, tentamos preenchê-lo de todas as formas, mas somente somos saciados quando El Shaddai entra em nosso coração. É Ele que quer saciar a sede de nossa alma. Quando El Shaddai entra em nosso coração nos sentimos supridos, saciados, felizes, prontos para qualquer boa obra.

No Evangelho de João capítulo 4, vemos que um dia Jesus teve um encontro com uma mulher samaritana. Jesus percebeu que aquela mulher já tinha tentado, sem sucesso, preencher o vazio de sua alma com muitos relacionamentos infrutíferos e todos esses relacionamentos tinham deixado uma ferida muito grande em sua alma.

Jesus falou-lhe sobre a água que Ele tinha para oferecer-lhe, e que se ela bebesse nunca mais teria sede. Essa água era o próprio Jesus que supre a necessidade de nossa alma. A mulher samaritana entendeu a mensagem de Jesus e decidiu beber da água do Espírito Santo, tornou-se discípula e evangelista, uma vez que pregou para uma cidade inteira.

Independentemente da religião das pessoas;  quer as pessoas aceitem ou não; todos precisam de Jesus. Aquele que supre as nossas necessidades quer nos oferecer a fonte da vida. Quem bebe de Jesus não voltará a sentir um vazio, não voltará a sentir sede, pelo contrário será suprido em todas as suas necessidades.

Jesus está batendo à porta do nosso coração; se abrirmos, Ele entrará e equilibrará nossa alma e alimentará o nosso espírito, e a paz que excede todo entendimento invadirá nossa vida para sermos plenos nEle.

Que Deus te abençoe!

Luís Carlos Fonseca

2 comentários:

  1. Eu creio que somente Deus pode nos preencher nosso espírito grita pela presença do Senhor pena que muitos não se entregam verdadeiramente e não conseguem ser felizes.

    ResponderEliminar
  2. Eu creio que somente Deus pode nos preencher nosso espírito grita pela presença do Senhor pena que muitos não se entregam verdadeiramente e não conseguem ser felizes.

    ResponderEliminar