sexta-feira, 3 de junho de 2011

RESUMO E COMENTÁRIOS DA LIÇÃO 11 – A VESTE NUPCIAL



VERSO ÁUREO:  “Portanto, agora nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus, que não andam segundo a carne, mas segundo o Espírito.” Romanos 8:1

OBJETIVOS DESTA LIÇÃO: Analisar a história do banquete nupcial oferecido pelo rei que mostra  alguns aspectos do juízo. Sentir as atitudes e emoções do rei, que representa Deus, em relação à rejeição do convite por parte das pessoas. Sermos levados a aceitar o convite para a festa e recebermos as vestes oferecidas para a salvação.

Nesta semana vamos estudar a parábola das bodas relatada em Mateus capítulo 22: 1-14:

“Então Jesus, tomando a palavra, tornou a falar-lhes em parábolas, dizendo: O reino dos céus é semelhante a um certo rei que celebrou as bodas de seu filho; e enviou os seus servos a chamar os convidados para as bodas, e estes não quiseram vir. Depois, enviou outros servos, dizendo: dizei aos convidados: eis que tenho o meu jantar preparado, os meus bois e cevados já mortos, e tudo já pronto; vinde às bodas. Eles, porém, não fazendo caso, foram, um para o seu campo, outro para o seu tráfico; e os outros, apoderando-se dos servos, os ultrajaram e mataram. E o rei, tendo notícia disto, encolerizou-se e, enviando os seus exércitos, destruiu aqueles homicidas, e incendiou a sua cidade. Então diz aos servos: as bodas, na verdade, estão preparadas, mas os convidados não eram dignos. Ide, pois, às saídas dos caminhos, e convidai para as bodas a todos os que encontrardes. E os servos, saindo pelos caminhos, ajuntaram todos quantos encontraram, tanto maus como bons; e a festa nupcial foi cheia de convidados. E o rei, entrando para ver os convidados, viu ali um homem que não estava trajado com veste de núpcias. E disse-lhe: amigo, como entraste aqui, não tendo veste nupcial? E ele emudeceu. Disse, então, o rei aos servos: amarrai-o de pés e mãos, levai-o, e lançai-o nas trevas exteriores; ali haverá pranto e ranger de dentes. Porque muitos são chamados, mas poucos escolhidos.”


“Nesta parábola, como na da grande ceia, são ilustrados o convite do evangelho, sua rejeição pelo povo judeu e o convite da graça aos gentios. Esta parábola, porém, apresenta-nos maior ofensa da parte dos que rejeitam o convite, e juízo mais terrível. O chamado para o banquete é um convite real. Procede de alguém que está investido de poder para ordenar. Confere grande honra. Contudo esta é desapreciada. A autoridade do rei é menosprezada. Ao passo que o convite do pai de família é considerado com indiferença, o do rei é recebido com insulto e morte. Trataram seus criados com escárnio e desprezo e os mataram.” Parábolas de Jesus, 307

“Pela veste nupcial da parábola é representado o caráter puro e imaculado, que os verdadeiros seguidores de Cristo possuirão. Foi dado à igreja "que se vestisse de linho fino, puro e resplandecente" (Apoc. 19:8), "sem mácula, nem ruga, nem coisa semelhante". Efés. 5:27. O linho fino, diz a Escritura, "é a justiça dos santos". Apoc. 19:8. A justiça de Cristo e Seu caráter imaculado, é, pela fé, comunicada a todos os que O aceitam como Salvador pessoal.” Parábolas de Jesus, 310

“Somente as vestes que Cristo proveu, podem habilitar-nos a aparecer na presença de Deus. Estas vestes de Sua própria justiça, Cristo dará a todos os que se arrependerem e crerem. "Aconselho-te", diz Ele, "que de Mim compres... vestes brancas, para que te vistas, e não apareça a vergonha da tua nudez. Apoc. 3:18.2” Parábolas de Jesus, 311

DOMINGO: DIAS DE FERVOR Por que foram dias agitados e de fervor? Porque Jesus teve que concluir o Seu ministério enaltecendo o reino de Deus, e ao mesmo tempo teve que lidar com os judeus que O rejeitaram.
Jesus tinha estado mais de 3 anos exercendo o Seu ministério junto aos necessitados, que eram pessoas de algumas nações, incluindo os judeus, para quem Jesus tinha vindo especialmente salvar. Quando Jesus proferiu a parábola do rei e dos convidados para as bodas do seu filho, era a última semana do Seu ministério e vida. Foram dias de intensas atividades. O capítulo 21 de Mateus é marcado pela última semana de Cristo antes da Sua morte.
Jesus lidou especialmente com a liderança de Israel: com  os escribas, os fariseu e os rabinos que deviam ser os primeiros a aceitarem o evangelho de Jesus. E perguntamos: porque eles  rejeitaram a mensagem? Os judeus deviam dar o exemplo em seguir Jesus; pois há muito, que aguardavam a vinda do Messias. Jesus veio, conforme as profecias, e eles não perceberam.

Hoje há muitas pessoas, como os judeus, que dizem seguir Cristo, mas escolhem seguir as suas conveniências em vez de seguirem os passos de Jesus, e reconhecê-Lo como Senhor da vida. A própria Bíblia declara: “Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor! entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus.” Mateus 7.21. Os líderes tinham mais que aprender do que o próprio povo.

A liderança judaica faz-me lembrar as pessoas e entidades religiosas de várias confissões; cristãos ou não cristãs, que tem vivido com verdadeiras máscaras e capas para camuflar os crimes hediondos que praticam. Crimes tanto no aspecto físico e civil. Exemplo: a inquisição, onde muitos fiéis à Bíblia foram mortos em nome da fé; como crimes doutrinários, onde as doutrinas da Bíblia foram modificadas, acrescentadas e tiradas. Exemplo: o domingo em lugar do sábado.

Os Adventistas do 7º Dia receberam muita luz da Palavra de Deus. Surgimos de um Movimento Profético, e fomos chamados para proclamarmos lindas mensagens que ficaram esquecidas por vários séculos; nomeadamente, as verdades do sábado e do real estado do homem após a morte. Estamos vivendo dentro da luz recebida? O que estamos fazendo para divulgar estas mensagens? Dentro destes dias agitados que estamos vivendo. Dias que marcam a fim deste mundo e a volta de Jesus, temos vivido de forma digna da vocação para a qual fomos chamados?

SEGUNDA-FEIRA – O CONVITE DO REI – Na parábola o rei  representa a Deus, o Pai; o filho da parábola representa Jesus Cristo; os servos representam a igreja de Deus e os convidados representam as pessoas que são chamadas à salvação. Na parábola, o rei fez todos os preparativos para a festa do casamento, planejou a boda e mandou abater os animais necessários. Ele disse: “tudo está pronto vinde às bodas.” V.4. tudo o que as pessoas tinham que fazer era aceitar o convite que estava sendo oferecido.

Repare que os convidados não levaram a sério o convite e não deram a devida importância. Esta parábola faz-me lembrar de duas coisas: a) Quando organizamos uma série de conferências ou uma semana de oração, tirando os que já são membros, poucas pessoas respondem ao convite que a igreja faz. b) Quando realizamos a reunião de oração semanal, e lembramos da importância desta reunião para a vida espiritual da igreja,  até mesmo alguns membros não acatam o convite. Esta parábola reflete perfeitamente a situação espiritual das pessoas de hoje. 

Em II Timóteo 3: 1-5 encontramos a descrição exata da situação espiritual do planeta antes da volta de Jesus: “Sabe, porém, isto: que nos últimos dias sobrevirão tempos trabalhosos. Porque haverá homens amantes de si mesmos, avarentos, presunçosos, soberbos, blasfemos, desobedientes a pais e mães, ingratos, profanos, sem afeto natural, irreconciliáveis, caluniadores, incontinentes, cruéis, sem amor para com os bons, traidores, obstinados, orgulhosos, mais amigos dos deleites do que amigos de Deus, tendo aparência de piedade, mas negando a eficácia dela. Destes afasta-te.”

Jesus disse que o caminho da salvação é estreito: “E porque estreita é a porta, e apertado o caminho que leva à vida, e poucos há que a encontrem.” Mateus 7:14. 
Hoje as pessoas preferem ir ao estádio de futebol, ou ao salão de danças do que atentarem para as coisas espirituais. As pessoas conseguem arranjar todo tipo de desculpas para evitarem e rejeitarem o convite para a salvação. Algumas pessoas da parábola, além de não aceitarem o convite, perseguiram e mataram os servos que  levaram-lhes a mensagem. Jesus estava fazendo uma descrição fiel do que aconteceria logo após a sua morte, e nos séculos futuros de perseguição e morte que seguiriam aos fiéis filhos de Deus. Por mais grandiosa que seja a oferta da salvação, nem todos irão aceitá-la. O próprio Jesus mencionou que poucos acertam com a salvação. Ver Mateu 7: 13 e 14.

Como entender a expressão usada pelo rei a respeito de quem havia rejeitado o convite: “Não eram dignos”? Em nós não encontramos nada digno. Se temos alguma dignidade ela não vem de nós, mas naquilo que deixamos Deus fazer por nós e em nós.

TERÇA-FEIRA – OS QUE VIERAM PARA A FESTA – Nem tudo estava perdido. Os últimos servos foram recompensados em seus esforços como vimos em Mateus 22:10: “E os servos, saindo pelos caminhos, ajuntaram todos quantos encontraram, tanto maus como bons; e a festa nupcial foi cheia de convidados.” Fazer uma festa e não aparecer ninguém, é muito frustrante!

Que tipo de pessoas apareceram para a festa de casamento? Foram tanto “bons como maus” V.10. Na igreja tem o joio e o trigo, e Jesus falou para deixarem crescer juntos até o dia da ceifa. Não estamos autorizados a arrancar o joio, nem antes, nem durante, e nem depois do tempo. Pois não cabe-nos o julgamento. Precisamos fazer duas coisas. a) Manter uma íntima comunhão com Deus e permitir que Ele nos purifique dos nossos pecados. b) Devemos olhar com olhos de amor e compaixão para todos os irmãos, inclusive para aqueles que achamos que são maus. Pois o julgamento só pertence a Deus, e no momento certo receberão a recompensa.

“Os servos do rei que foram pelos caminhos, "ajuntaram todos quantos encontraram, tanto maus como bons". Mat. 22:10. Era um grupo misto. Alguns deles não tinham maior respeito ao doador da ceia do que os que haviam rejeitado o convite. A classe primeiramente convidada não podia, como pensava, sacrificar os privilégios mundanos para comparecer ao banquete do rei. E entre os que aceitaram o convite havia muitos que pensavam somente em se beneficiar. Foram para partilhar das provisões do banquete, mas não tinham desejo de honrar ao rei. “ Parábolas de Jesus.” 309

Ao convite de Jesus: “Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei.” Mateus 11:28, tem vindo muitos cristãos sinceros do Catolicismo, do meio evangélico e religiões não cristãs para pertencerem à igreja de  Deus, mas tem acontecido um fenômeno curioso. Quando chegam à igreja, vem carregados com suas tradições, conveniências e pecados cultivados, que não querem abandoná-los, e a igreja de Deus tem se tornado deficiente.

Ellen White escreveu há muitos anos atrás aquilo que vemos em nossos dias no meio cristão. São pessoas que não querem seguir os mandamentos de Deus, mas querem ser beneficiadas com o status social que a religião promove: “Seguir uma religião tornou-se moda no mundo. Governantes, políticos. Médicos, advogados, empresários, aderem à igreja como o meio de alcançar o respeito e a confiança da sociedade, e promover os seus próprios interesses mundanos..procuram, assim, encobrir, sob o manto do Cristianismo, todas as suas transações injustas. Os vários corpos religiosos, fortalecidos com a riqueza dos mundanos batizados, empenham-se ainda mais em obter maior popularidade e proteção...os seus sermões não podem tocar nos pecados populares, mas deverão ser suaves e agradáveis aos ouvidos da alta sociedade.” O Grande Conflito, 321

QUARTA-FEIRA – SEM VESTIDO –  “E o rei, entrando para ver os convidados, viu ali um homem que não estava trajado com veste de núpcias. E disse-lhe: amigo, como entraste aqui, não tendo veste nupcial? E ele emudeceu.” Vs. 11 e 12

“Quando o rei entrou para ver os convidados, foi revelado o verdadeiro caráter de todos. A cada um foi provido um vestido de bodas. Essa veste era uma dádiva do rei. Usando-a, os convidados demonstravam respeito ao doador da festa. Um homem, porém, estava com seus trajes comuns. Recusara fazer a preparação exigida pelo rei. A veste provida para ele com grande custo, desdenhou usar. Deste modo insultou seu senhor. À pergunta do rei: "Como entraste aqui, não tendo veste nupcial?" (Mat. 22:12) nada pôde responder. Condenou-se a si mesmo. Então o rei disse: "Amarrai-o de pés e mãos, levai-o e lançai-o nas trevas exteriores." Mat. 22:13.”  P. Jesus 309

O que o vestido representa nesta parábola, e por que a rejeição das vestes era uma questão de vida ou morte?

Um homem compareceu no banquete oferecido pelo rei sem as vestes oferecidas. Ele não se preparou para o acontecimento, ainda que tudo o que era preciso estivesse providenciado.
Quem representa este homem? Representa os professos cristãos que decidem cobrir-se com a sua própria justiça em vez de receber a Justiça de Cristo. Vimos na lição de ontem que há cristãos que não estão comprometidos com a fé que professam, e não permitem serem transformados pela Divindade, pois preferem viver de acordo com as suas conveniências, caprichos pessoais e pecados acariciados. E por estarem assim, não sentem a necessidade de arrependimento e confissão. Preferem viver com as vestes manchadas pelo pecado, em vez de receberem as vestes puras de Cristo.
  
O que Jesus faz pelo pecador arrependido conforme I Cor. 1:30?  “Mas vós sois dele, em Jesus Cristo, o qual para nós foi feito por Deus sabedoria, e justiça, e santificação, e redenção.” Na Justiça de Cristo há muito mais do que simplesmente o perdão(justiça). Há também a santificação e a redenção. Santificação é o viver diariamente com Deus. E Redenção é a libertação do poder do pecado que antes operava na nossa vida . Passamos a viver de forma vitoriosa e feliz, e sem termos que viver na prática diária dos mesmos pecados.

QUINTA-FEIRA- O JUÍZO  INVESTIGATIVO  - Quer queiramos ou não, haverá um dia em que todas as pessoas do mundo, independentemente da sua raça, cor, ou religião; serão julgadas. Pois todas as pessoas são criaturas, do Deus criador dos Céus e da terra. O Juízo de Deus está intimamente relacionado com a 2º volta de Jesus. E quer as pessoas queiram, ou não; quer elas estejam preparadas, ou não, Jesus irá voltar para colocar fim a este mundo de pecados, e restaurar o planeta ao seu estado original, o de santidade.

"O exame dos convidados pelo rei representa uma cena de julgamento. Os convidados à ceia do evangelho são os que professam servir a Deus. Nem todos, porém, que professam ser cristãos, são discípulos verdadeiros. Antes que seja dada a recompensa final, precisa ser decidido quem está apto para gozar a eternidade. Essa decisão deve ser feita antes da segunda vinda de Cristo, nas nuvens do céu; porque quando Ele vier, o galardão estará com Ele "para dar a cada um segundo a sua obra". Apoc. 22:12. Antes de Sua vinda o caráter da obra de cada um terá sido determinado, e a cada seguidor de Cristo o galardão será concedido segundo seus atos. Por isso então é necessário o Juízo de investigação antes da volta de Jesus. Esta é a primeira fase do juízo Divino." Parábolas de Jesus, 310

“ Enquanto os homens ainda estão sobre a Terra, é que a obra do juízo investigativo se efetua nas cortes celestes. A vida de todos os Seus professos seguidores é passada em revista perante Deus; todos são examinados de conformidade com os relatórios nos livros do Céu, e o destino de cada um é fixado para sempre de acordo com seus atos. Pela veste nupcial da parábola é representado o caráter puro e imaculado, que os verdadeiros seguidores de Cristo possuirão. Foi dado à igreja "que se vestisse de linho fino, puro e resplandecente" (Apoc. 19:8), "sem mácula, nem ruga, nem coisa semelhante". Efés. 5:27. O linho fino, diz a Escritura, "é a justiça dos santos". Apoc. 19:8. A justiça de Cristo e Seu caráter imaculado, é, pela fé, comunicada a todos os que O aceitam como Salvador pessoal.” Parábolas de Jesus, 311

A 2ª FASE DO JUÍZO – JUÍZO DE CONFIRMAÇÃO. Nesta fase, serão julgados os perdidos que estarão mortos na terra desolada. Ver Jeremias 4: 23 a 27 e Jeremias 25:33. Os não salvos, não terão mais oportunidade de salvação.
 Em Apocalipse 20:13 e I Coríntios 6:3,  mostram as atividades dos salvos durante os mil anos: eles auxiliarão Deus no processo de julgamento  dos perdidos que estarão mortos e inconscientes.  Este será um juízo de confirmação apenas. Os perdidos não terão outra chance, pois a Palavra menciona que depois da morte, vem o juízo e  a condenação. “E, como aos homens está ordenado morrerem uma vez, vindo, depois disso o juízo.” Hebreus 9:27.

Em Apocalipse 20:5 menciona que os ímpios receberão a recompensa depois do período dos mil anos. Eles ressuscitarão, mas será por pouco tempo. Será para verem as oportunidades desperdiçadas e reconhecerem que Deus é justo. O juízo de confirmação vai durar mil anos literais, para que tudo seja feito com calma, e nenhum item escape aos olhos de Deus, e os perdidos possam reconhecer o Seu amor.

3º FASE DO JUÍZO – JUÍZO FINAL. Em Apocalipse 20:7 mostra que Satanás será solto da sua prisão para conduzir os ímpios ressuscitados; num ataque final contra Deus, os salvos e a cidade nova Jerusalém. A absolvição de Satanás só será possível, porque os ímpios terão ressuscitado.
Apocalipse 20:9 menciona que Satanás e suas hostes serão finalmente destruídos com o fogo do inferno. Este será o juízo final. Ver Apocalipse 20:7-15
É bom salientar que o inferno a arder eternamente, será eterno em seus efeitos e consequências. Compare as seguintes passagens: Judas verso 7 e II Pedro 2:6. Se fosse eterno, Sodoma e Gomorra, necessariamente, estariam a arder até hoje.  
 A nova Jerusalém descerá para a terra, e será a capital do paraíso. Deus criará depois do milênio, novos céus e nova terra.  
 Aqui será a sede do universo todo. Onde reinou o pecado, será a sede da justiça e do amor.

Que Deus nos abençoe

Luís Carlos Fonseca


Sem comentários:

Enviar um comentário