sexta-feira, 3 de março de 2017

COMENTÁRIOS DA LIÇÃO 1 (2º trimestre 2017) A PESSOA DE PEDRO

COMENTÁRIOS DA LIÇÃO 1 (2º trimestre 2017) A PESSOA DE PEDRO

INTRODUÇÃO AO TRIMESTRE - APASCENTA AS MINHAS OVELHAS – As lições deste trimestre foram escritas por Robert K. Mclver, que é professor de arqueologia e Bíblia no Avondale College, Austrália, e é autor de vários livros, incluindo; “Para Além do Código da Vinci e “As Quatro Faces de Jesus”.

Durante este trimestre vamos estudar sobre as duas cartas de Pedro. A primeira carta de Pedro é uma carta endereçada aos fiéis cristãos que viviam dispersos devido a grande perseguição contra os crentes, infligida por Roma dos césares. Pedro sabia muito bem o que era ser perseguido. Ele foi espancado e perseguido e sabia o que era administrar as emoções para não revidar os perseguidores.


Embora aquele tempo de perseguição tenha sido muito violento, Pedro revelou que era um tempo de alegria, pois sofrer pelo amor de Cristo, assim como Jesus sofreu por eles, deve ser encarado como um privilégio. Esta carta faz referência às experiências pessoais de Pedro com Jesus, assim como aos seus sermões do livro de Atos. Pedro menciona que Satanás é o grande inimigo de todos nós, mas que a garantia do retorno futuro de Cristo fornece o incentivo de esperança.

Ele escreveu aos crentes da diáspora procurando levar ânimo e consolo à todos. Veja alguns textos: "Ele mesmo levou em seu corpo os nossos pecados sobre o madeiro, a fim de que morrêssemos para os pecados e vivêssemos para a justiça; por suas feridas vocês foram curados." I Pedro 2:24

"Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo! Conforme a sua grande misericórdia, ele nos regenerou para uma esperança viva, por meio da ressurreição de Jesus Cristo dentre os mortos." I Pedro 1:3

"Vocês, porém, são geração eleita, sacerdócio real, nação santa, povo exclusivo de Deus, para anunciar as grandezas daquele que os chamou das trevas para a sua maravilhosa luz." I Pedro 2:9

"Sejam sóbrios e vigiem. O diabo, o inimigo de vocês, anda ao redor como leão, rugindo e procurando a quem possa devorar. Resistam-lhe, permanecendo firmes na fé, sabendo que os irmãos que vocês têm em todo o mundo estão passando pelos mesmos sofrimentos." I Pedro 5:8-9

A segunda carta de Pedro foi escrita no final de sua vida. Já que ele foi martirizado em Roma, durante o reinado de Nero, sua morte deve ter acontecido antes de 68 d.C. Ele escreveu II Pedro entre 65 e 68 d. C. A segunda carta tinha como propósito alertar os crentes sobre os falsos mestres que estavam se infiltrando na igreja para destruir a sã doutrina do cristianismo. Pedro conclamou os cristãos para crescerem e tornarem-se fortes em sua fé, a fim de detectarem e combaterem a crescente apostasia.

Ele enfatizou fortemente a autenticidade da Palavra de Deus e a certeza da segunda vinda de Jesus.
Pedro sabia que seu tempo era curto, II Pedro 1:13-15, e que essas igrejas enfrentavam perigo imediato, II Pedro 2:1-3, então ele convidou os leitores a pensarem, II Pedro 1:13, Pedro 3:1-2 para que pudessem se lembrar de seu ensino, II Pedro 1:15. Ele também desafiou os crentes a se tornarem mais maduros em sua fé ao adicionar a ela virtudes cristãs específicas, assim tornando-se eficazes e produtivos em seu conhecimento de Jesus Cristo. Ver II Pedro 1:5-9

Veja alguns textos importantes da carta: “Visto como o seu divino poder nos deu tudo o que diz respeito à vida e piedade, pelo conhecimento daquele que nos chamou pela sua glória e virtude; Pelas quais ele nos tem dado grandíssimas e preciosas promessas, para que por elas fiqueis participantes da natureza divina, havendo escapado da corrupção, que pela concupiscência há no mundo.” II Pedro 1:3-4

“O Senhor não retarda a sua promessa, ainda que alguns a têm por tardia; mas é longânimo para conosco, não querendo que alguns se percam, senão que todos venham a arrepender-se.” II Pedro 3:9
“Antes crescei na graça e conhecimento de nosso Senhor e Salvador, Jesus Cristo. A ele seja dada a glória, assim agora, como no dia da eternidade. Amém.” II Pedro 3:18.

Três vezes Pedro negou Cristo, por três vezes Jesus perguntou se Pedro O amava e por três vezes Jesus pediu para Pedro apascentar as Suas ovelhas. Pedro é o tipo de pastor que precisou passar pela avaliação divina para que, depois de aprovado, pudesse apascentar o rebanho de Jesus. A pergunta mais difícil que, em toda a sua vida, precisou responder foi a respeito de suas convicções sobre o amor a Jesus: Amas-me? Por três vezes Jesus fez a mesma pergunta e por três vezes Pedro respondeu: “Senhor, tu sabes que te amo”

“E, depois de terem jantado, disse Jesus a Simão Pedro: Simão, filho de Jonas, amas-me mais do que estes? E ele respondeu: Sim, Senhor, tu sabes que te amo. Disse-lhe: Apascenta os meus cordeiros. Tornou a dizer-lhe segunda vez: Simão, filho de Jonas, amas-me? Disse-lhe: Sim, Senhor, tu sabes que te amo. Disse-lhe: Apascenta as minhas ovelhas. Disse-lhe terceira vez: Simão, filho de Jonas, amas-me? Simão entristeceu-se por lhe ter dito terceira vez: Amas-me? E disse-lhe: Senhor, tu sabes tudo; tu sabes que eu te amo. Jesus disse-lhe: Apascenta as minhas ovelhas.” João 21:15-17

COMENTÁRIOS DA LIÇÃO I (2º trimestre 2017) A PESSOA DE PEDRO

VERSO ÁUREO: “Mas, sentindo o vento forte, teve medo; e, começando a ir para o fundo, clamou, dizendo: Senhor, salva-me! E logo Jesus, estendendo a mão, segurou-o, e disse-lhe: Homem de pouca fé, por que duvidaste?” Mateus 14:30,31

INTRODUÇÃO (sábado 25 de março) - Quem foi Pedro e o que ele fez? O nome original de Pedro era Simão. Ver Atos 15,14 e  II Pedro 1:1 . Ele era o filho de Jonas, Johannes, e nasceu em Betsaida. Ver João 1:42, 44, cidade que fica ao lado do Mar da Galiléia. Pedro era irmão de André. Mais tarde, encontrando a seu irmão Simão, André disse: "Encontramos o Messias", e ele o trouxe até Jesus, que, olhando para ele, disse: "Tu és Simão, filho de Jonas: tu serás chamado Cefas, ou Pedro. Já neste primeiro encontro, Jesus anunciou a mudança de nome, de Simão para Cefas. (Pequena pedra). Ver Mat 16:18.

Pedro estabeleceu-se em Cafarnaum, onde vivia com sua sogra. Ver Mateus 8:14 e Lucas 4:38. De acordo com Clemente de Alexandria, Pedro era casado e tinha filhos. Stromata, III, VI, ed. Dindorf, II, 276. O mesmo escritor diz que de acordo com à tradição a mulher de Pedro também foi martirizada. Somatra, VII, xi ed. Cit., III, 306. O que sabemos é que ele vivia em Cafarnaum e tinha a profissão de pescador, possuindo o seu próprio barco. Ver Lucas 5:3

Dentre os inúmeros personagens do Novo Testamento, Pedro é um dos que mais se destaca por sua humanidade. Seus erros e acertos chamam atenção, sendo tema de muitas lições para nós. Antes de Pedro tornar-se no apóstolo, cheio do Espírito Santo, ele revelou sua fraqueza e chegou ao ponto extremo de negar Jesus. Sua queda foi vergonhosa, suas lágrimas foram amargas, mas sua restauração foi completa!

O apóstolo Pedro foi decisivo na implantação da Cristianismo. Devido o seu temperamento decidido, sofreu muitas perseguições por parte dos seus inimigos Sinédrio, judeus e romanos. Pedro conhecia, por experiência, o que era negar, escarnecer e jogar contra o reino de Deus e, depois da sua conversão, ele conseguiu administrar as perseguições no meio do grande conflito até a sua morte. Ele pode dizer sobre o grande conflito em seus escritos, e somos beneficiados com a inspiração bíblica!

Pedro tornou-se uma grande testemunha do reino de Deus e foi um grande pregador do evangelho de Cristo e Deus realizou, através de Pedro, alguns atos sobrenaturais: A cura do homem coxo, ver  Atos 3:6 e 7, a morte de Ananias e Safira, ver Atos 5:5 e 10, alguns doentes foram curados com a sombra de Pedro, ver Atos 5:15 e 16, a  ressurreição de Dorcas, ver Atos 9:36,37 e 40 e Enéias curado da paralisia, ver Lucas 9:33 e 34.

A grande transformação na vida de Pedro revela a conversão experimentada por todo aquele que conhece o poder de Deus em sua vida. A história de vida de Pedro nos mostra que é possível mudar. A Rocha, que é Cristo, operou a transformação em Pedro.

Há um grande debate sobre se a rocha sobre a qual Cristo edificaria Sua igreja é Pedro ou a confissão de Pedro fala que Cristo é a Rocha, conforme este verso: “E Simão Pedro, respondendo, disse: Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo.” Mateus 16:16. A construção gramatical permite as duas possibilidades. Jesus estava usando um jogo de palavras, e uma paráfrase dessa frase seria: "Pedro, você é chamado de “pedra pequena” e sobre esta Rocha, que sou Eu, edificarei a Minha igreja.”

O próprio Pedro reconheceu ser Jesus a Rocha da nossa salvação: “Se é que já provastes que o Senhor é benigno. E, chegando-vos para Ele pedra viva, reprovada, na verdade, pelos homens, mas para com Deus eleita e preciosa. Pelo que também na Escritura se contém: Eis que ponho em Sião a pedra principal da esquina, eleita e preciosa; e quem nela crer não será confundido. E assim para vós, os que credes, é preciosa, mas, para os rebeldes, a pedra que os edificadores reprovaram essa foi a principal de esquina” I Pedro 2:3-4, 6-7.

DOMINGO (26 de março) AUSENTA-TE DE MIM – Pedro aparece na Bíblia como um pescador e quando Jesus apareceu a ele para chamá-lo ao discipulado, ele ficou alarmado com a presença e o milagre de Cristo em fazer a pescaria maravilhosa, e reagiu assim: “E vendo isto Simão Pedro, prostrou-se aos pés de Jesus, dizendo: Senhor, ausenta-te de mim, que sou um homem pecador.” Lucas 5:8. E Jesus o acalmou dizendo “..Não temas; de agora em diante serás pescador de homens.” Lucas 5:10.

Pedro e a maioria dos discípulos já conheciam a respeito da chegada do Messias e, tão logo entraram em contato com Cristo, decidiram responder ao chamado de Jesus. Foi o caso de André que disse a seu irmão Pedro: “Encontramos o Messias” João 1:41. Depois daquele milagre, Lucas menciona algo interessante: “E, levando os barcos para terra, deixaram tudo, e o seguiram.” Lucas 5:11.

O que leva uma pessoa a deixar tudo, seguir Jesus e ainda ser discípulo do amor e da esperança nos dias de hoje? 

A santidade de Deus expõe a nossa pecaminosidade, e foi o que aconteceu com Pedro! Encontramos na parábola do fariseu e do publicano, em Lucas 18: 9-14 o pecador publicano que voltou justificado porque admitiu ser um pecador e pediu misericórdia. Enquanto que o fariseu super-religioso procurou justificar-se por suas obras, não se considerando um pecador e ainda humilhando o outro.

No exemplo de hoje, Pedro teve um encontro com o Jesus e também um confronto ao qual evidenciaram algumas características humanas com as divinas:  O imperfeito com o perfeito, o humano com o divino e  pecador recebendo a graça para ser salvo e a capacitação para o discipulado. Desse encontro emanou de Jesus o amor de Deus para Pedro e ele sentiu isso, reconheceu seu estado, olhou para si, como Isaías quando teve a visão do trono de Deus, Isaías 6, e por isso disse: “...Senhor, ausenta-te de mim porque sou um homem pecador.

Todos nós precisamos da graça e misericórdia do Senhor para não sermos consumidos. Temos muitos exemplos bíblicos onde Jesus combate fortemente e critica os fariseus e hipócritas, defendendo as pessoas humildes arrependidos como: A mulher na casa de Simão, Luc 7, Zaqueu, Luc 17, na casa de Mateus, Mateus 9, a mulher adúltera em João 8, etc…

É importantíssimo estarmos em comunhão com Jesus para Ele revelar a nossa real condição de pecadores que somos. Alguns crentes são afetados com sua comunhão doentia quando pensam que são salvos por suas orações, penitências, boas obras e estilo de vida natural. Quem nos salva e nos leva a produzirmos coisas boas é Cristo; as nossas orações são o meio pelo qual Cristo revela as nossas falhas. Aqueles que estão se santificando nunca anunciam a sua santidade, os outros é que observam isso neles.

“Um simples raio da glória de Deus, um lampejo da pureza de Cristo que penetre no coração torna dolorosamente visível cada mancha impura, e revela claramente a deformidade e os defeitos do caráter humano. Os desejos não santificados, a infidelidade do coração e a impureza dos lábios ficam evidentes. Os atos de deslealdade e de desrespeito à lei de Deus são expostos. Sob a influência perscrutadora do Espírito Santo, o coração do pecador é atingido, e ele fica aflito. O pecador se torna completamente perturbado e insatisfeito ao ver o puro e imaculado caráter de Cristo. Quando contemplou a glória que cercava o mensageiro celestial que lhe fora enviado, o profeta Daniel ficou prostrado ao reconhecer a própria debilidade e imperfeição. Descrevendo o efeito daquela cena maravilhosa, ele disse: “Não restou força em mim; o meu rosto mudou de cor e se desfigurou, e não retive força alguma”. Daniel 10:8. O coração tocado dessa maneira passa a odiar seu egoísmo e amor-próprio. A solução que resta é, através da justiça de Cristo, buscar a pureza de coração que está em harmonia com a lei de Deus e o caráter de Cristo.” Caminho a Cristo, 20

SEGUNDA-FEIRA (27 de março) CONFESSANDO CRISTO – Pedro confessou Cristo destemidamente. A lição de hoje traz este texto: “E, chegando Jesus às partes de Cesaréia de Filipe, interrogou os seus discípulos, dizendo: Quem dizem os homens ser o Filho do homem? E eles disseram: Uns, João o Batista; outros, Elias; e outros, Jeremias, ou um dos profetas. Disse-lhes ele: E vós, quem dizeis que eu sou? E Simão Pedro, respondendo, disse: Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo. E Jesus, respondendo, disse-lhe: Bem-aventurado és tu, Simão Barjonas, porque to não revelou a carne e o sangue, mas meu Pai, que está nos céus.” Mateus 16:13-17.

Nos três Evangelhos aparece a pergunta que Jesus fez aos discípulos sobre o que as pessoas pensavam de Cristo e como O viam os próprios discípulos. Ver também Marcos 8: 27-30 e  Lucas 9: 18-21. Nos três Evangelhos, Pedro respondeu em nome dos doze discípulos com uma confissão que se distingue claramente da opinião da multidão. Nos três Evangelhos, Jesus anunciou logo a seguir a Sua paixão e ressurreição e pronunciou um ensinamento sobre o caminho dos discípulos, que consistiu em seguir o Mestre até o fim.

Os discípulos de Jesus reconheceram que Ele não Se enquadrava em nenhuma das categorias correntes da época que Jesus era Elias ou outros profeta do V.T. Desde o inicio do ministério de Jesus e do Sermão da Montanha até à vista das suas ações poderosas, da Sua capacidade de perdoar os pecados, dos milagres realizados, desde a autoridade da sua pregação até à sua maneira de considerar as tradições da lei, de tudo isto eles reconheceram que Jesus era mais do que qualquer um dos profetas, era o próprio Deus.

“Desde o princípio Pedro crera que Jesus era o Messias. Muitos outros que foram convencidos pela pregação de João Batista, e aceitaram a Cristo, começaram a duvidar da missão de João quando ele foi preso e morto; e agora duvidavam de que Jesus era o Messias, a quem há tanto tinham aguardado. Muitos dos discípulos que haviam esperado ardentemente que Jesus tomasse Seu lugar no trono de Davi, deixaram-nO ao perceber que Ele não tinha essa intenção. Mas Pedro e seus companheiros não se desviaram de sua fidelidade. A vacilante atitude dos que ontem louvavam e hoje condenavam, não destruiu a fé dos verdadeiros seguidores do Salvador. Pedro declarou: “Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo”. Mateus 16:16. Não esperou que honras reais coroassem seu Senhor, mas aceitou-O em Sua humilhação.” Desejado de Todas as Nações, 289.

Tudo o que temos e somos vem de Deus e a verdade confessada por Pedro é o fundamento da nossa fé. É aquilo que o próprio Cristo declarou ser a vida eterna. A posse desse conhecimento não oferece motivo para nos glorificarmos a nós mesmos, mas sim para dependermos da graça de Cristo para a nossa salvação. O diálogo de Cristo com os discípulos e a resposta de Pedro pode ser comparado com a nossa vida de oração. Somos convidados a termos essa liberdade de comunicação com Cristo, e mais do que isto; devemos confessar a divindade de Cristo e Sua capacidade de perdoar os nossos pecados e de nos restaurar. Amém?

Como a nossa vontade, de que as coisas se realizem em nosso favor, se choca com a vontade de Deus expressa na Bíblia? Necessitamos estar cientes que não seguimos a Jesus pelo que Ele tem, e sim, pelo que Ele é, o nosso Senhor e Salvador. Seguir Jesus simplesmente por interesse próprio não tem sentido e nem traz resultados espirituais: Se esperamos em Cristo só nesta vida, somos os mais miseráveis de todos os homens.” I Coríntios 15:19

TERÇA-FEIRA (28 de março) CAMINHAR SOBRE A ÁGUA – A lição de hoje traz o milagre de Pedro ao caminhar sobre a água. Eis o texto: “E logo ordenou Jesus que os seus discípulos entrassem no barco, e fossem adiante para o outro lado, enquanto despedia a multidão. E, despedida a multidão, subiu ao monte para orar, à parte. E, chegada já a tarde, estava ali só. E o barco estava já no meio do mar, açoitado pelas ondas; porque o vento era contrário; mas, à quarta vigília da noite, dirigiu-se Jesus para eles, andando por cima do mar. E os discípulos, vendo-o andando sobre o mar, assustaram-se, dizendo: É um fantasma. E gritaram com medo. Jesus, porém, lhes falou logo, dizendo: Tende bom ânimo, sou eu, não temais. E respondeu-lhe Pedro, e disse: Senhor, se és tu, manda-me ir ter contigo por cima das águas. E ele disse: Vem. E Pedro, descendo do barco, andou sobre as águas para ir ter com Jesus. Mas, sentindo o vento forte, teve medo; e, começando a ir para o fundo, clamou, dizendo: Senhor, salva-me! E logo Jesus, estendendo a mão, segurou-o, e disse-lhe: Homem de pouca fé, por que duvidaste? E, quando subiram para o barco, acalmou o vento. Então aproximaram-se os que estavam no barco, e adoraram-no, dizendo: És verdadeiramente o Filho de Deus.” Mateus 14:22-33.

Ali estava Pedro, como os outros discípulos de Jesus, num barco e com uma tempestade a rugir em volta deles. O mar e o vento eram contrários e o barco estava sendo sacudido pelas ondas; a situação tornava-se desesperadora. De repente, apareceu Jesus, quando O viram, disseram entre eles: Será um homem andando sobre a água? È impossível! Deve ser alguma espécie de fantasma; ou um espírito. Diante daquele quadro gritaram de medo e, imediatamente Jesus lhes falou e disse: “Tende bom ânimo, sou Eu, não temais”.

Encontramos aqui uma grande demonstração de fé onde Pedro teve a essência da fé verdadeira, Pedro respondeu-lhe e disse: “Senhor, se és tu, mande-me que vá até onde estás sobre as águas”. Isto significa, que Pedro estava dizendo a Cristo: “Se realmente és tu, o Messias, sabendo eu, que nada Te é impossível, dá-me prova disso, ordenando-me a andar até ti”. E Jesus disse-lhe: Vem. Pedro teve fé, foi e andou sobre as águas, mas a dúvida e o desviar os olhos de Cristo conduziram Pedro para o fundo.

Qual a diferença entre Pedro e nós? O que podemos aprender com este episódio? O que temos em comum com Pedro? Como estamos em um mundo de pecados, quando desviamos os olhos de Jesus, podemos mergulhar em muitos problemas. Mas, mesmo temendo como crianças acuadas sem saber o que fazer em alguns momentos, devemos saltar do barco e avançar pela fé até Cristo para segurarmos em Suas mãos poderosas e cheias de amor em nos salvar.

Jesus então segura em nossas mãos para não morrermos em nossos pecados. Somos convidados a sermos ousados, se queremos andar sobre as águas, se desejamos que milagres aconteçam na nossa vida. Grandes milagres aconteçam em nossa vida quando saímos do barco e começamos a desfrutar o que Deus tem preparado para nós. “Quando passares pelas águas, estarei contigo, e quando pelos rios, eles não te submergirão; quando passares pelo fogo, não te queimarás, nem a chama arderá em ti. Porque Eu sou o Senhor teu Deus, o Santo de Israel, o teu Salvador”. Isaías 43:1-3. Amém?

“Olhando para Jesus, Pedro caminha firmemente; como satisfeito consigo mesmo, porém, volta-se para os companheiros no barco, desviando os olhos do Salvador. O vento ruge. As ondas encapelam-se, alterosas, e interpõem-se exatamente entre ele e o Mestre; e ele teme. Por um momento, Cristo fica-lhe oculto, e sua fé desfalece. Começa a afundar. Mas ao passo que as ondas prenunciam morte, Pedro ergue os olhos para Jesus e brada: “Senhor, salva-me!” Jesus segura imediatamente a estendida mão, dizendo: “Homem de pequena fé, por que duvidaste?” Andando lado a lado, a mão de Pedro na do Mestre, entraram juntos no barco. Mas Pedro estava agora rendido e silencioso. Nenhuma razão tinha de se vangloriar sobre os companheiros, pois por causa da incredulidade e da exaltação quase perdera a vida. Ao desviar de Cristo o olhar, foi-se-lhe o pé, e ei-lo a submergir-se. Quantas vezes, ao sobrevir-nos aflição, fazemos como Pedro! Olhamos para as ondas, em lugar de manter os olhos fixos no Salvador. Os pés vacilam, e as orgulhosas águas passam por sobre nossa alma.” O Desejado de todas as Nações, 263.

“Os que deixam de compreender sua contínua dependência de Deus, serão vencidos pela tentação. Podemos entender agora que nosso pé se acha firme e jamais seremos abalados. Podemos dizer com confiança: “Eu sei em quem tenho crido; coisa alguma pode abalar minha confiança em Deus e Sua Palavra.” Mas Satanás está planejando aproveitar-se de nossos traços de caráter hereditários e cultivados, e cegar-nos os olhos para nossas necessidades e defeitos. Unicamente compreendendo a própria fraqueza e olhando firmemente para Jesus, podemos caminhar com segurança.”  D.T.N, 264

QUARTA-FEIRA (29 de março) NEGANDO O SEU SENHOR – Que lições podemos aprender com os fracassos de Pedro? Estes são os textos para o estudo de hoje: “Disse também o Senhor: Simão, Simão, eis que Satanás vos pediu para vos cirandar como trigo; mas eu roguei por ti, para que a tua fé não desfaleça; e tu, quando te converteres, confirma teus irmãos. E ele lhe disse: Senhor, estou pronto a ir contigo até à prisão e à morte. Mas ele disse: Digo-te, Pedro, que não cantará hoje o galo antes que três vezes negues que me conheces.” Lucas 22:31-34.

“Então, prendendo-o, o levaram, e o puseram em casa do sumo-sacerdote. E Pedro seguia-o de longe. E, havendo-se acendido fogo no meio do pátio, estando todos sentados, assentou-se Pedro entre eles. E como certa criada, vendo-o estar assentado ao fogo, pusesse os olhos nele, disse: Este também estava com ele. Porém, ele negou-o, dizendo: Mulher, não o conheço. E, um pouco depois, vendo-o outro, disse: Tu és também deles. Mas Pedro disse: Homem, não sou. E, passada quase uma hora, um outro afirmava, dizendo: Também este verdadeiramente estava com ele, pois também é galileu. E Pedro disse: Homem, não sei o que dizes. E logo, estando ele ainda a falar, cantou o galo. E, virando-se o Senhor, olhou para Pedro, e Pedro lembrou-se da palavra do Senhor, como lhe havia dito: Antes que o galo cante hoje, me negarás três vezes. E, saindo Pedro para fora, chorou amargamente.” Lucas 22:54-62.

Quando a empregada perguntou, Pedro negou sua associação com Jesus, ver João 18:17. No início do ministério de Cristo, Pedro começou bem e agora terminou mal. Se Pedro tivesse entrado na casa e já confessando a sua fé em Jesus, ele não teria mais motivo para fugir da realidade. Deus promete uma bênção para escaparmos de todas as tentações, ver I Coríntios 10:13, mas Pedro não a procurou e não desejou seguir Deus. Não pediu ajuda de Deus e caiu em desgraça. Nas outras vezes ele era tão rápido para responder o que era direito, mas aqui falhou miseravelmente.  

No meio dos soldados, Pedro negou pela segunda vez. Pedro se aqueceu no fogo do pátio ao lado dos soldados, João 18:18. Ele não se identificou como discípulo de Jesus. Enquanto Jesus respondia a uma pergunta sobre Sua doutrina, e sofria nas mãos dos guardas, João 18:19-22, Pedro viu os guardas perto dele e negou ser discípulo do Cristo. Ver João 18:25. Nós também quando sabemos do perigo que certas atividades ou ambientes oferecem, devemos ficar longe. O Salmo 1:1-2 mostra que devemos evitar diversas circunstâncias de tentação.

Finalmente chegou um parente de Malco, aquele cuja orelha tinha sido cortada por Pedro no Getsêmani. Imagine o que passou pela cabeça de Pedro nesse momento. Mais uma vez o medo tomou conta e o discípulo mostrou covardia. Em vez de exaltar o seu Senhor, Pedro pensou em si, e negou Cristo pela terceira vez. Será que não somos como Pedro em situações semelhantes? Será que nossa covardia, vergonha ou timidez esteja impedindo a nossa salvação e de outras pessoas?

Lucas menciona mais um ponto importante. Na hora que Pedro negou Jesus pela terceira vez, o Senhor olhou para ele: “E Pedro disse: Homem, não sei o que dizes. E logo, estando ele ainda a falar, cantou o galo. E, virando-se o Senhor, olhou para Pedro, e Pedro lembrou-se da palavra do Senhor, como lhe havia dito: Antes que o galo cante hoje, me negarás três vezes.” Lucas 22:60,61.

Quando pecamos Jesus também olha para nós: “E não há criatura alguma encoberta diante dele; antes todas as coisas estão nuas e patentes aos olhos daquele com quem temos de tratar.” Hebreus 4:13. Podemos esconder nossos pecados de outras pessoas e até enganar a nós mesmos, achando algum raciocínio para justificar os nossos próprios pecados. Mas jamais esconderemos o nosso pecado de Deus. Ele vê tudo e julgará a todos.

“Fora por dormir quando Jesus lhe recomendara vigiar e orar, que Pedro preparara o caminho para seu grande pecado. Todos os discípulos, dormindo na hora crítica, sofreram grande dano. Cristo sabia a cruel prova por que eles haviam de passar. Sabia como Satanás havia de agir para lhes paralisar os sentidos, a fim de se acharem desapercebidos para a prova. Fora por isso que lhes dera aviso. Houvessem aquelas horas no horto sido passadas em vigília e oração, e Pedro não teria ficado dependente de suas débeis forças. Não teria negado a seu Senhor. Houvessem os discípulos velado com Cristo em Sua agonia, e estariam preparados para Lhe contemplar os sofrimentos na cruz. Teriam compreendido, até certo ponto, a natureza de Sua avassaladora angústia. Teriam podido recordar-Lhe as palavras predizendo os sofrimentos, a morte e a ressurreição. Entre as sombras da mais probante hora, alguns raios de esperança teriam aclarado as trevas e lhes sustido a fé.”  Desejado de Todas as Nações, 502

QUINTA-FEIRA (30 de março) PEDRO COMO LÍDER DA IGREJA – Na verdade Pedro agia como líder dos demais discípulos e era o porta-vos natural dos discípulos. Pedro teve a iniciativa de nomear um outro discípulo no lugar de Judas Iscariotes, ver Atos 1:15-25, foi Pedro que, quando foi apanhado e preso pelas autoridades romanas, por falar da ressurreição de Cristo, falou ao sumo-Sacerdote, ver Atos 4:1-12, foi  Pedro que falou às multidões que o dom prometido do Espírito Santo estava sendo concedido à igreja, ver Atos 2:14-32. Foi Pedro o primeiro a ser conduzido ao gentio Cornélio para pregar-lhe o evangelho, ver Atos 10: 1-48, Pedro também estava presente quando os samaritanos receberam pela primeira vez o Espírito Santo, ver Atos 8:14-17 e foi Pedro que recebeu a visita de Paulo quando este se converteu, ver Gálatas 1:18. Pedro era um líder espiritual natural.

A Igreja Católica Romana vê em Pedro o primeiro papa, a quem Deus escolheu para alicerçar sua igreja, conforme Mateus 16:18. A Igreja Romana menciona que o apóstolo Pedro tornou-se o primeiro papa de Roma, logo depois das acções dos apóstolos relatadas no livro de Atos. A Igreja Católica Apostólica Romana ensina que o papa é infalível e que esta infalibilidade dá ao papa a habilidade de guiar a igreja sem erros. Pedro teve muitas falhas e a Bíblia ensina que todos os homens são falhos e dependentes de graça de Deus. Com certeza, entre os inúmeros personagens do Novo Testamento, Pedro é um dos que mais se destaca por sua humanidade. Seus erros e acertos chamam a nossa atenção; sendo tema de muitas lições para nós. Antes de Pedro tornar-se no apóstolo cheio do Espírito Santo, ele revelou sua fraqueza e chegou ao ponto extremo de negar Jesus. Sua queda foi vergonhosa, suas lágrimas foram amargas, mas sua restauração foi completa!

Mas apesar de Pedro ter sido o líder natural na expansão do cristianismo, em nenhum lugar da Bíblia declara que ele estava em autoridade acima dos outros apóstolos, ou mesmo sobre a Igreja, sendo superior ou tendo a supremacia. Ver Atos 15:1-23; Gálatas 2:1-14 e I Pedro 5:1-5. As palavras de Jesus em Mateus 16:18 são mais bem interpretadas como um simples jogo de palavras. Jesus teria dito assim: "Pedro, você é chamado de “pedra pequena, mas de sua boca virá uma verdade que será a fundação da igreja." O Novo Testamento deixa claro que Cristo é a fundação da igreja. Ver Atos 4:11,12 e I Coríntios 3:11.

De certa forma, todos os apóstolos tiveram um papel fundamental na construção da igreja, ver Efésios 2:20, mas a posição de primazia é reservada somente ao Cristo. Jesus é chamado de Pedra principal. Ver I Pedro 2:6, 7; Efésios 2:20, Lucas 20:17 e Atos 4:11. Se Cristo é a pedra angular, como poderia ser Pedro a rocha sobre a qual a igreja é construída?

O próprio Pedro reconheceu ser Jesus a Pedra referida no estudo desta semana, ao escrever muitos anos depois: “Se é que já provastes que o Senhor é benigno. E, chegando-vos para Ele pedra viva, reprovada, na verdade, pelos homens, mas para com Deus eleita e preciosa. Pelo que também na Escritura se contém: Eis que ponho em Sião a pedra principal da esquina, eleita e preciosa; e quem nela crer não será confundido. E assim para vós, os que credes, é preciosa, mas, para os rebeldes, a pedra que os edificadores re provaram essa foi a principal de esquina” I Pedro 2:3-4, 6-7.

As Escrituras nunca descrevem Pedro como tendo autoridade sobre os outros apóstolos ou sendo o principal líder da igreja primitiva. Pedro não foi o primeiro papa. A Igreja Católica Romana despreza os ensinamentos de Pedro ou de qualquer outro apóstolo, exceto em poucos pontos como os atos de amor. Cito alguns exemplos que a igreja Católica crê, defende e pratica de forma contrária ao que a Bíblia ensina: Pedro e os santos apóstolos sempre guardaram o sábado como dia de repouso e santo, a igreja Católica Romana mudou o descanso do sábado para o domingo. Pedro nunca aceitou veneração e adoração a si, e o líder Católico aceita adoração. Os apóstolos defenderam a intercessão única de Cristo, já a igreja Católica Romana ensina a intercessão de santos e sacerdotes. Os santos apóstolos tinham uma visão clara do estado do homem, de inconsciência na morte, já a igreja Romana ensina diferente, etc… Percebeu como Pedro não foi o primeiro papa?

SEXTA-FEIRA (31 de março) LEITURA ADICIONAL DA LIÇÃO 1 (2º trimestre 2017) A PESSOA DE PEDRO – Quando estudamos a vida de Pedro percebemos que ele era cheio de falhas, mas quando ele foi transformado, Deus o usou muito. Deus realizou, através de Pedro, alguns atos sobrenaturais: A cura do homem coxo, ver Atos 3:6 e 7, a morte de Ananias e Safira, ver Atos 5:5 e 10, alguns doentes foram curados com a sombra de Pedro, ver Atos 5:15 e 16, a  ressurreição de Dorcas, ver Atos 9:36,37 e 40 e Enéias curado da paralisia, ver Lucas 9:33 e 34. A grande transformação na vida de Pedro espelha a conversão experimentada por todo aquele que conhece o poder de Deus em sua vida. A história de vida de Pedro nos mostra que é possível mudar. A Rocha, que é Cristo, operou a transformação em Pedro. Amém?

Pedro tornou-se em grande testemunha e foi um grande pregador do evangelho do Cristo Deus. Veja este texto: “Esta palavra, vós bem sabeis, veio por toda a Judéia, começando pela Galiléia, depois do batismo que João pregou; Como Deus ungiu a Jesus de Nazaré com o Espírito Santo e com virtude; o qual andou fazendo bem, e curando a todos os oprimidos do diabo, porque Deus era com ele. E nós somos testemunhas de todas as coisas que fez, tanto na terra da Judéia como em Jerusalém; ao qual mataram, pendurando-o num madeiro.” Atos 10:37-39.

Pedro declarou que Cristo é Deus. Quem é Cristo para você? Muitas pessoas reconhecem Jesus Cristo como um bom homem, grande mestre, ou mesmo como um profeta de Deus. Essas coisas são definitivamente verdadeiras sobre Jesus, mas elas não definem quem Ele realmente é. A Bíblia nos diz que Jesus é Deus em carne, Deus tornou-Se um ser humano. Leia João 1:1,14. Deus veio à terra para nos ensinar, curar, corrigir, restaurar, perdoar e morrer por nós! Jesus Cristo é Deus, o Criador, o Senhor supremo. Você já aceitou Jesus como seu Salvador?

“Desde o princípio Pedro crera que Jesus era o Messias. Muitos outros que foram convencidos pela pregação de João Batista, e aceitaram a Cristo, começaram a duvidar da missão de João quando ele foi preso e morto; e agora duvidavam de que Jesus era o Messias, a quem há tanto tinham aguardado. Muitos dos discípulos que haviam esperado ardentemente que Jesus tomasse Seu lugar no trono de Davi, deixaram-nO ao perceber que Ele não tinha essa intenção. Mas Pedro e seus companheiros não se desviaram de sua fidelidade.” O Desejado De Todas as Nações, 289.

Jesus é Pedra Angular, e não Pedro, ver Efésios 2:20. Jesus é a Pedra angular do edifício da Sua Igreja. Ele junta os judeus e gentios, homens e mulheres e todos os santos de todas as épocas e lugares em uma estrutura construída sobre a fé nele, a qual é partilhada por todos. Jesus é a Rocha, e não Pedro, ver I Coríntios 10:4. Assim como a água que dá vida fluiu da rocha que Moisés bateu no deserto, Jesus é a Rocha da qual fluem as águas vivas da vida eterna. Ele é a Rocha sobre a qual construímos nossa casa espiritual, de modo que nenhuma tempestade possa nos derrubar.

Jesus é o verdadeiro Deus, ver I João 5:20 - Esta é uma afirmação direta de que Jesus, sendo o verdadeiro Deus, não é apenas divino, mas é o Divino. Já que a Bíblia ensina que há somente um Deus, isso só pode estar descrevendo a Sua natureza como parte do Deus triúno. Devemos edificar o nosso carácter e casa espiritual sobre as doutrinas puras da Bíblia, ensinadas e defendidas por Jesus.

Para os crentes em Jesus, Cristo é o firme fundamento da nossa fé. Somos nós que caímos sobre a Rocha e nos despedaçamos. A submissão a Cristo e a fé nele são representadas na descrição de que Cristo é a Rocha. Cair sobre a Rocha e despedaçar-se, significa renunciar a nossa própria justiça e ir à Cristo com a humildade de uma criança, arrependidos de nossas transgressões e crendo em Seu amor perdoador. É pela fé e a obediência a Deus que fundamentamos a nossa vida espiritual. A transformação de Pedro, foi um milagre da ternura divina. É uma lição, para a vida toda, àqueles que procuram seguir os passos de Jesus.

“Antes de sua grande queda, ele era sempre ousado e ditatorial, falando inadvertidamente segundo o impulso do momento. Ele estava sempre pronto para corrigir os outros e expressar os próprios pensamentos, antes de ter uma clara compreensão de si mesmo ou do que deveria dizer. Mas ele se converteu, e o Pedro convertido era diferente do irrefletido e impulsivo Pedro. Conquanto conservando seu primitivo fervor, a graça de Cristo ajustou seu zelo. Em lugar de ser impetuoso, autoconfiante e presunçoso, era agora calmo, ponderado e dócil. Então podia apascentar os cordeiros e as ovelhas do rebanho de Cristo,” Testemunhos para a Igreja, Vol 5, 333 e 334.

Luís Fonseca

Sem comentários:

Enviar um comentário