segunda-feira, 3 de outubro de 2016

A VERDADE PRESENTE EM SETE TÓPICOS

A VERDADE PRESENTE EM SETE TÓPICOS

O que é a Verdade Presente? É a verdade bíblica, vinda Deus, que deve ser anunciada para a época em que vivemos. Existem verdades que serviram apenas para uma época, por exemplo; a morte de cordeirinhos e as cerimônias que apontavam para Cristo serviram apenas para o povo judeu. Depois da morte de Cristo passou a ser uma verdade do passado. E o Cristianismo passou a ser a religião escolhida por Deus para divulgar a verdade presente.

Na época dos apóstolos eles tinham uma verdade presente. E qual era? “Portanto, irmãos, procurai fazer cada vez mais firme a vossa vocação e eleição; porque, fazendo isto, nunca jamais tropeçareis. Porque assim vos será amplamente concedida a entrada no reino eterno de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo. Por isso não deixarei de exortar-vos sempre acerca destas coisas, ainda que bem as saibais, e estejais confirmados na presente verdade.” II Pedro 1:10-12.

Sem dúvidas que a verdade presente dos cristãos primitivos era a salvação, em Cristo que tinham adquirido, a obediência às doutrinas que tinham sido ensinados e a promessa da vida eterna. Eles viviam a mensagem de tal maneira que acreditavam que Jesus iria voltar em seus dias. Esta também é a nossa verdade presente.

Deus tem uma mensagem específica para cada período da história, e essa mensagem é denominada; verdade presente. A) Para Adão e Eva a verdade presente era cultivar a terra, comer do suor do rosto e sacrificar animais que apontavam para Cristo. Ver Gên. 3. B) Para a época de Noé, Deus advertiu o mundo ante-diluviano ao arrependimento e anunciou a destruição por meio do dilúvio de águas. Ver Gên. 6 e 7. A verdade presente era o arrependimento. C) Para o povo judeu que se distanciou de Deus, a verdade presente também foi o arrependimento, a confissão dos pecados, através dos sacrifícios de animais e a conversão ao Deus de Israel, Criador dos céus e da terra. D) A verdade presente na época de João Batista foi o arrependimento dos pecados e a chegada do Messias. Ele dizia: “Naqueles dias surgiu João Batista pregando no deserto da Judéia; e dizia: “Arrependei-vos, porque o Reino dos céus está próximo” Mateus 3:1 e 2. Os apóstolos tiveram o desafio de levar as pessoas à aceitar o Carpinteiro judeu como o prometido Messias do Antigo Testamento. Ver Atos 2:22-36; 4:11,12 e 5:30,31. E) No século dezesseis a verdade presente, foi divulgada através do movimento da Reforma Protestante, por Martinho Lutero e tinha a mensagem de que a Bíblia é a única regra de fé, Sola Scriptura e de que a fé, nos méritos de Cristo, é o único meio pelo qual alguém pode ser aceito e salvo por Deus. Tais aspectos da mensagem eram apropriados ao contexto em que os reformadores viviam, pois o papado havia exaltado a tradição acima das doutrinas da Bíblia Sagrada.

Com o surgimento do Movimento Adventista, em novembro de 1848, Ellen White, profetiza do Senhor, recebeu uma visão de Deus e instruiu Tiago White, seu esposo sobre o que ele devia fazer. Ela disse: “Você deve começar a imprimir um pequeno jornal e enviar para o povo... Foi-me mostrado que esse simples início seria como fachos de luz iluminando ao redor do mundo.” Tiago White no verão seguinte já havia preparado a primeira edição do primeiro jornal: The Present Truth, “A Verdade Presente”, da qual despachou 1.mil cópias da revista, com 48 páginas, para pessoas interessadas, e logo depois distribuiu mais 4 mil exemplares. Aquela foi a primeira publicação adventista e hoje a Igreja Adventista do 7º Dia tem quase 60 Casas Publicadoras no mundo que publicam livros e revistas contendo a verdade presente. As mensagens mais urgentes contidas na revista “A Verdade Presente” eram; a Lei de Deus, o Mandamento do Sábado e a 2º Volta de Jesus.

Qual é a mensagem de Deus ou a verdade presente para o nosso tempo? Para entendermos isso, é bom identificar o período da história em que vivemos. De acordo com Daniel 12 Deus revelou a Daniel que o entendimento do seu livro só ocorreria no tempo do fim, ver v. 9, e esse tempo chegaria após o período profetizado do período; “um tempo, dois tempos e metade de um tempo”, v. 7, o que equivale a 1260 anos. Esse período vai de 538 d.C  até 1798 d.C, nos quais Roma mudaria os Dez Mandamentos, perseguiria os fiéis de Deus e lançaria a verdade por terra. Ver Dan. 7:25; 8:12; Apoc 12:6,13,14 e 13:5,6. Portanto, o tempo do fim começou  em 1798 d.C, após esse período as principais profecias de Daniel se cumpririam. Ver Dan. 8:14; 12:11, 12. Após esse período teve um crescente avanço do conhecimento profético e científico. Ver Dan 12:4. A igreja Adventista do 7º Dia tem a “Verdade Presente” para esse tempo e Deus tem uma advertência de especial importância para os habitantes da terra. É o último aviso de misericórdia para este mundo mergulhado nas trevas do pecado. A igreja adventista defende vários pontos que são esquecidos ou não divulgados por outras confissões religiosas, como vemos neste estudo.

Em que texto da Bíblia encontramos, de forma resumida, a verdade presente? Está em Apocalipse 14:6-12, é a tríplice mensagem angélica. Essa tríplice mensagem antecede a cena da segunda vinda de Cristo. Jesus é descrito como o Cavaleiro que vem para ceifar a seara da terra. Ver Apoc 14: 14-16. Portanto, a verdade presente para hoje é uma advertência que deve ser comunicada ao mundo no tempo do fim. Esta mensagem envolve as doutrinas Bíblicas que são verdades para este tempo. Por isso, a verdade presente deve ser apresentada sempre no contexto das três mensagens angélicas. E este estudo vai mostrar a harmonia perfeita que existe entre estes temas.

A verdade presente é o Evangelho Eterno (as doutrinas imutáveis da Bíblia) que deve ser anunciado ao mundo todo em sua totalidade: “E vi outro anjo voar pelo meio do céu, e tinha o evangelho eterno, para o proclamar aos que habitam sobre a terra, e a toda a nação, e tribo, e língua, e povo.” Apocalipse 14:6. Portanto, quando você falar ou ouvir sobre a “verdade presente” deve levar em conta, pelo menos, os sete tópicos que serão apresentados neste estudo. Você não pode apresentar ou dar ênfase à um e omitir ou diminuir os outros. Por exemplo: tem gente que gosta de apresentar apenas o tema da saúde e quando deve fazer evangelismo, aí a coisa já não é com ele. Deus pede um envolvimento na apresentação global das Suas doutrinas. Percebeu?

1) Primeira Verdade Presente. Existe Um Santuário no Céu. O santuário terrestre é uma cópia do santuário celestial. Moisés não inventou um santuário, mas construiu conforme as orientações de Deus. Consequentemente, o santuário do céu é o original e serviu de modelo para o santuário dos israelitas. O santuário do céu é chamado de “o verdadeiro tabernáculo”. Neste estudo devemos ter uma ideia, pelo menos geral, do santuário da terra. O santuário tem três compartimentos gerais; Pátio, Lugar Santo e Lugar Santíssimo.

A) O Átrio ou Pátio - Era o único lugar do santuário onde o adorador podia entrar. Neste lugar eram realizados os sacrifícios. Podemos dizer que o pátio do santuário representa a terra e neste compartimento tinha dois utensílios; o altar de sacrifício e a pia.

B) O Lugar Santo – Neste compartimento tinha três utensílios: a) O candelabro era feito de ouro puro e tinha sete lâmpadas que deviam ficar permanentemente acesas. Em Apocalipse 1:12 e 13 João descreve Jesus andando entre sete candelabros e o verso 20 nos diz que os candelabros representam as sete igrejas. Dentro desta simbologia podemos ver o Espírito Santo atuando na igreja possibilitando que seja a luz do mundo. b) No altar de incenso era desempenhado a sua função no lugar santo. Era aqui que os sacerdotes queimavam diariamente incenso como intersecção pelo povo de Israel. Este incenso queimado representava as orações dos santos. Ver Apocalipse 8:4. c) A mesa e os pães da proposição era feita de madeira de acácia e estava recoberta de ouro puro. Doze pães eram colocados sobre ela formando duas colunas de seis pães. O significado dos pães representa Jesus que é pão da vida. Ver João 6:5

C) O Lugar Santíssimo - Após o segundo véu, estava o lugar santíssimo. Ver Heb. 9:3, onde só o sumo-sacerdote podia entrar, e uma vez ao ano, e era no dia da expiação. Lá havia a arca da aliança contendo as tábuas dos 10 mandamentos. Havia dois querubins de ouro e suas asas cobriam o propiciatório, que era a tampa da arca. Era entre estes querubins que se manifestava a Shekinah, a manifestação de Deus em forma de uma luz gloriosa. Neste sentido, a arca representava o trono de Deus. Dentro da arca continha, para além das tábuas da Lei, uma amostra do maná e a vara de Arão. Em Heb. 9:4 fala-nos que na arca continham três objetos: "...um vaso de ouro, que continha o maná, e a vara de Arão, que tinha brotado, e as tábuas da aliança."

Veja os seguintes textos que falam da existência do santuário no céu: “E me farão um santuário, e habitarei no meio deles. Conforme a tudo o que eu te mostrar para modelo do tabernáculo, e para modelo de todos os seus pertences, assim mesmo o fareis.” Êxodo 25:8-9

“Ora, a suma do que temos dito é que temos um sumo-sacerdote tal, que está assentado nos céus à destra do trono da majestade, ministro do santuário, e do verdadeiro tabernáculo, o qual o Senhor fundou, e não o homem.” Hebreus 8:1-2

“Os quais servem de exemplo e sombra das coisas celestiais, como Moisés divinamente foi avisado, estando já para acabar o tabernáculo; porque foi dito: Olha, faze tudo conforme o modelo que no monte se te mostrou.” Hebreus 8:5

“De sorte que era bem necessário que as figuras das coisas que estão no céu assim se purificassem; mas as próprias coisas celestiais com sacrifícios melhores do que estes. Porque Cristo não entrou num santuário feito por mãos, figura do verdadeiro, porém no mesmo céu, para agora comparecer por nós perante a face de Deus.” Hebreus 9:23-24.

Esta primeira verdade mostra que somente Jesus pode perdoar os pecados da humanidade e interceder por nós. Hoje, Jesus está no santuário celestial e recebe os pedidos que lhe fazemos e, para além de nos perdoar, Ele atende as nossas necessidades. É tão confortador sabermos que temos um Deus maravilhoso que intercede por nós e cuida de nós! Jesus nos atende sem mediação de outras pessoas ou objetos: “Não farás para ti imagem de escultura, nem alguma semelhança do que há em cima nos céus, nem em baixo na terra, nem nas águas debaixo da terra. Não te encurvarás a elas nem as servirás; porque eu, o Senhor teu Deus, sou Deus zeloso, que visito a iniquidade dos pais nos filhos, até a terceira e quarta geração daqueles que me odeiam.” Êxodo 20:4,5

“E em nenhum outro há salvação, porque também debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual devamos ser salvos.” Atos 4:12. Ver também João 14:6

Nos textos inspirados abaixo encontramos aquilo que a Bíblia descreve sobre a existência e função do santuário do céu: “O santuário do céu, no qual Jesus ministra em nosso favor, é o grande original, de que o santuário construído por Moisés foi uma cópia. Assim como no santuário terrestre havia dois compartimentos, o santo e o santíssimo, existem dois lugares santos no santuário celestial. A arca contendo a lei de Deus, o altar de incenso e outros instrumentos, que se encontravam no santuário de baixo, também têm sua parte correspondente no santuário de cima. Em santa visão, foi permitido ao apóstolo João penetrar no céu, e ele contemplou ali o castiçal e o altar de incenso e quando “abriu-se no céu o templo de Deus”, contemplou também “a arca do Seu concerto”. Apoc. 11:19. História da Redenção, 377.

“Enquanto Jesus, nosso Intercessor, pleiteia por nós no céu, o Espírito Santo efetua em nós tanto o querer como o realizar, segundo a Sua boa vontade. Todo o Céu está interessado na salvação da alma. Então, que razão temos nós para duvidar de que o Senhor quer ajudar-nos, e nos ajuda? Nós que ensinamos o povo precisamos ter pessoalmente vital ligação com Deus. No Espírito e na Palavra, devemos ser para o povo como um manancial, porque Cristo é em nós uma fonte a jorrar para a vida eterna. A tristeza e o sofrimento podem provar nossa paciência e nossa fé; mas o brilho da presença do Invisível está conosco, e temos de esconder o próprio eu atrás de Jesus.” E Recebereis Poder, MM 1999, 351.

2) Segunda “Verdade Presente”. O Juízo no Céu Já Começou. O juízo de Deus está intimamente relacionado com a 2º volta de Jesus. E quer as pessoas desejam ou não; quer elas estejam preparadas ou não, Jesus irá voltar para colocar fim a este mundo de pecados, e restaurar o planeta ao seu estado original, o de santidade.

A mensagem do juízo deve ser de amor e não de terror. Se abandonarmos os pecados pelo arrependimento, eles serão apagados dos registros de Deus: “Arrependei-vos, pois, e convertei-vos para serem apagados os vossos pecados, e venham assim os tempos de refrigério, pela presença do Senhor.” Atos 3:19. Ver também I João 1:9 e Hebreus 8:12. Que Deus maravilhoso é o nosso! Os salvos não terão que se deparar com os seus pecados, pois eles estarão confessados e, consequentemente perdoados. Caso contrário, eles não seriam levados ao céu por Jesus e Seus anjos.
Jesus colocou o juízo, como estando no futuro: “Mas Eu vos digo que, de toda a palavra ociosa que os homens disserem, hão-de dar contas no dia do juízo.” Mat. 12:36. Paulo procurou convencer Féliz acerca do Juízo, como estando no futuro. Ver Atos 24:25. Desde Jesus já se passaram quase dois milênios e o juízo já começou.

O primeiro anjo proclama o juízo de Deus, ver Apoc 14:7, o qual começou sua primeira fase em 22 de outubro de 1844. Nessa data, terminou o grande período profético dos 2300 anos de Daniel 8:14, e começou a purificação do santuário celestial, a qual corresponde ao mesmo julgamento visto pelo profeta Daniel em Daniel 7:9-10. Nessa nova fase de Seu ministério, Cristo, além de interceder pela humanidade como já vinha fazendo, também atua no juízo em defesa de Seu povo, que está sendo julgado conforme os registros celestiais. Ver Daniel 7:10. Conhecemos essa fase como “juízo pré-advento” ou “juízo investigativo”, pois ocorre no período que antecede a segunda vinda de Cristo. Neste juízo, os filhos de Deus que vão estar salvos são julgados através dos seus atos e da Lei dos Dez Mandamentos.

Para uma compreensão profética do juízo, exige uma análise global especialmente dos livros de Daniel, Hebreus e Apocalipse. Em Daniel 8:14 menciona: “E até 2300 tardes e manhãs, e o santuário será purificado.” Deve-se levar em conta o estudo do santuário terrestre, primeira “Verdade Presente” analizada, o que significava o dia da purificação(Yon Kipur),que era um dia de juízo,  e transportar para o santuário celestial, como descrito em Daniel, Hebreus e Apocalipse. Ver Daniel 8:14, 9:25-27; Heb. 8:1 e 2 e Apoc. 11:19. Assim compreenderemos melhor o juízo que já começou e está em andamento no lugar santíssimo do santuário celestial.

Em Daniel 9 e Esdras 7, comparados com a história, mostram a data do início dos tais 2300 anos, que foi em 457. a.C. De 457 a.C  até 1844 d.C, completa o referido período. Eu acredito que em 1844, o nosso Senhor, que é o Sacerdote e Sumo-Sacerdote celestial, começou o juízo de investigação; a começar com os que já morreram salvos, e depois, dentro do tempo de Deus; com os vivos também salvos após o selamento, reafirmo; antes da volta de Cristo. Pois, quando Jesus retornar tudo já estará definido.

Os bodes estarão do lado esquerdo, ainda aguardando a segunda fase do julgamento, e as ovelhas, que são os salvos,  do lado direito, já julgados e aptos para a eternidade. Alguém pode dizer que Deus pode realizar o juízo num estalar de dedos, e não precisa de um julgamento de tantos anos, como sugerido; desde 1844 para cá. E é verdade, Deus pode, mas se temos as profecias bíblicas tão bem explicadas para alguma coisa servem, que é para serem estudadas, compreendidas e obedecidas. Sem contar que Deus gosta de deixar tudo explicado para que ninguém tenha de que O acusar.

Depois da primeira fase do juízo Deus terá a segunda fase, que vai acontecer durante os mil anos, depois que os salvos já estiverem com Cristo nos céus. Nesta fase, serão julgados os perdidos, que estarão mortos na terra desolada e na terra. Ver Jeremias 4: 23 a 27 e Jeremias 25:33. Os não salvos, não terão mais oportunidade de salvação, será apenas um juízo de confirmação. Satanás e seus demônios também serão julgados neste período.

Em Apocalipse 20:3 e I Corintios 6:3, mostram as atividades dos salvos durante os mil anos: Eles auxiliarão Deus no processo de julgamento dos perdidos que estarão mortos e inconscientes. Os perdidos não terão outra chance, pois a Palavra menciona que depois da morte, vem o juízo e a condenação. “E, como aos homens está ordenado morrerem uma vez, vindo, depois disso o juízo.” Hebreus 9:27. O juízo de confirmação vai durar mil anos literais, para que tudo seja feito com calma, e nenhum item escape aos olhos de Deus e de todo o universo e os perdidos possam reconhecer o Seu amor.

Depois dos mil anos a Palavra menciona, em Apocalipse 20:5, que os ímpios receberão a recompensa final. Eles ressuscitarão, mas será por pouco tempo. Será para verem as oportunidades de salvação não aproveitadas e reconhecerem que Deus é justo. Esta será a fase final do juízo, a qual denominamos de juízo executivo. Em Apocalipse 20:7 mostra que Satanás será solto da sua prisão para conduzir os ímpios ressuscitados; num ataque final contra Deus, os salvos e a cidade Nova Jerusalém. A absolvição de Satanás só será possível, porque os ímpios terão ressuscitado.

Apocalipse 20:9 menciona que Satanás e suas hostes serão finalmente destruídos com o fogo do inferno, que vamos analisar no tópico a Verdade Presente número 4. Este será o juízo final. Ver Apocalipse 20:7-15. Depois da destruição total do mal, a Nova Jerusalém descerá para a terra, e será a capital do paraíso. Deus criará depois do milênio, Novos Céus e Nova Terra. Aqui será a sede de todo o universo. Onde reinou o pecado será a sede da justiça e do amor. A única maneira de evitarmos a condenação eterna é através de Jesus Cristo. Ver Romanos 8:1 e Hebreus 7: 24 e 25. Esta verdade presente nos convida-nos  e apela-nos à vivermos a vida com Jesus, nosso Senhor, de forma digna como bons cidadãos dos céus para não sermos condenados no juízo Amém?

3) Terceira “Verdade Presente”. O Mandamento do Sábado. Esta verdade está intimamente ligada ao primeiro anjo. Diante da iminência do julgamento, o anjo conclama a humanidade à temer a Deus, glorificá-Lo e adorá-Lo. Veja o texto: “Temei a Deus, e dai-lhe glória; porque é vinda a hora do seu juízo. E adorai aquele que fez o céu, e a terra, e o mar, e as fontes das águas.” Apocalipse 14:7.

O sábado, relembra a criação, ver Gênesis 2:3; Êxodo 20:11 e Hebreus 4:4. O dia de sábado está relacionado com a adoração ao Deus criador. O mandamento do sábado assume também a função de selo da Lei de Deus. Unicamente o quarto mandamento, entre todos os dez, apresenta Deus como o Autor da vida e Legislador. É o único mandamento que revela que Deus é o Criador dos céus e da terra, assim como declara o Seu direito supremo à reverência e culto. Fora deste preceito, nada há nos outros 9 mandamentos que mostre por autoridade de quem foi dada a lei.

Em geral, o selo contém três elementos básicos: o nome do proprietário do selo, seu título e o território de seus domínios. O sábado fala que Deus é o Criador de toda a terra e merece adoração no dia de sábado em todo o mundo! Por isso o sábado é o selo de Deus.

Os 10 mandamentos da Lei de Deus estão em Êxodo 20: 1-17 e são repetidos em Deuteronômio 5:1-21. E podemos ver os mandamentos no Novo Testamento em vários versos, embora não de forma organizada como no V. T. Embora ninguém seja salvo por guardar a lei, no entanto, a lei exerce uma parte especial no processo da salvação. Pois, a fé sem as obras é morta. Alguém que esteja salvo, obedece aos mandamentos com muita alegria, e sem reclamar. Exemplo: Quem é salvo, pelo sangue de Jesus e pela graça, não vai viver adulterando ou roubando, pois já está transformado e vai guardar os outros mandamentos de Deus e obedecer Deus em todos os outros pontos.

Quando Deus deu as duas tábuas da Lei a Moisés, escritas por Seu próprio dedo, Ele dividiu os mandamentos em duas categorias. Na primeira tábua, estavam os 4 primeiros mandamentos, referentes ao amor à Deus. Na segunda tábua, estavam os outros 6 mandamentos, pertinentes ao amor ao próximo. Tendo em vista esta explicação; foi que Jesus resumiu os dez mandamentos em dois: “E Jesus disse-lhe: Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu pensamento. Este é o primeiro e grande mandamento. E o segundo, semelhante a este, é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo. Destes dois mandamentos dependem toda a lei e os profetas.” Mateus 22:37-40.

Pelo conhecimento bíblico, as leis cerimoniais é que foram abolidas. Os dez mandamentos não foram abolidos e jamais o serão: “As obras das suas mãos são verdade e juízo, seguros são todos os seus mandamentos. Permanecem firmes para todo o sempre; e são feitos em verdade e retidão.” Salmo 111:7 e 8

1) Quem escreveu os 10 mandamentos? “E deu a Moisés (quando acabou de falar com ele no monte Sinai) as duas tábuas do testemunho, tábuas de pedra, escritas pelo dedo de Deus.” Êxodo 31:18

2) Se somos salvos pela fé e graça apenas, qual é a função da lei? a) ELA CONDUZ-NOS À CRISTO: “De maneira que a lei nos serviu de aio, para nos conduzir a Cristo, para que pela fé fôssemos justificados.” Gálatas 3:24. b) ELA MOSTRA-NOS O PECADO: “Que diremos pois? É a lei pecado? De modo nenhum. Mas eu não conheci o pecado senão pela lei; porque eu não conheceria a concupiscência, se a lei não dissesse: Não cobiçarás.” Rom. 7:7. C) A LEI SERVE DE ESPELHO: “E sede cumpridores da palavra, e não somente ouvintes, enganando-vos com falsos discursos. Porque, se alguém é ouvinte da palavra, e não cumpridor, é semelhante ao homem que contempla ao espelho o seu rosto natural, porque se contempla a si mesmo, e vai-se, e logo se esquece de como era. Aquele, porém, que atenta bem para a lei perfeita da liberdade, e nisso persevera, não sendo ouvinte esquecidiço, mas fazedor da obra, este tal será bem-aventurado no seu feito.” Tiago 1:22-25.

3) No Novo Testamento os dez mandamentos, incluindo o mandamento do sábado, foram guardados e respeitados pelos santos: “Não cuideis que vim destruir a lei ou os profetas: não vim ab-rogar, mas cumprir. Porque em verdade vos digo que, até que o céu e a terra passem, nem um jota ou um til se omitirá da lei, sem que tudo seja cumprido.” Mateus 5:17 e 18

“Se guardardes os meus mandamentos, permanecereis no meu amor; do mesmo modo que eu tenho guardado os mandamentos de meu Pai, e permaneço no seu amor.” João 15 10.

“Porque qualquer que guardar toda a lei, e tropeçar em um só ponto, tornou-se culpado de todos. Porque aquele que disse: Não cometerás adultério, também disse: Não matarás. Se tu pois não cometeres adultério, mas matares, estás feito transgressor da lei.” Tiago 2: 10 e 11

“E, voltando elas, prepararam especiarias e unguentos; e no sábado repousaram, conforme o mandamento.” Lucas 23:56.

“E o dragão irou-se contra a mulher, e foi fazer guerra ao remanescente da sua semente, os que guardam os mandamentos de Deus, e têm o testemunho de Jesus Cristo.” Apoc. 12:17

4) A lei de Deus será a base do juízo final: “Porque qualquer que guardar toda a lei, e tropeçar em um só ponto, tornou-se culpado de todos. Porque aquele que disse: Não cometerás adultério, também disse: Não matarás. Se tu pois não cometeres adultério, mas matares, estás feito transgressor da lei. Assim falai, e assim procedei, como devendo ser julgados pela lei da liberdade.” Tiago 2.10-12

5) A obediência aos mandamentos de Deus é uma condição para entrarmos no céu:“E ele disse-lhe: Por que me chamas bom? Não há bom senão um só, que é Deus. Se queres, porém, entrar na vida, guarda os mandamentos.” Mateus 19:17.

6) Qual deve ser nossa atitude diante da lei de Deus? “Porque, segundo o homem interior, tenho prazer na lei de Deus.” Romanos 7:22

7) Quem instituiu o sábado e quando foi criado? “Assim os céus, a terra e todo o seu exército foram acabados. E havendo Deus acabado no dia sétimo a obra que fizera, descansou no sétimo dia de toda a sua obra, que tinha feito.” Gênesis 2:1 e 2

8) Depois de descansar no sétimo dia, o que fez Deus? “E abençoou Deus o dia sétimo, e o santificou; porque nele descansou de toda a sua obra que Deus criara e fizera.” Gênesis 2:3

9) Conforme a lei de Deus, qual é o dia de descanso? “Lembra-te do dia do sábado, para o santificar.” Êxodo 20:8

10) O sábado foi dado para benefício de quem? “E disse-lhes: O sábado foi feito por causa do homem, e não o homem por causa do sábado.” Marcos 2:27. O sábado é um presente de Deus para nós. Ninguém, em são juízo, despreza uma prenda de um amigo ou de qualquer pessoa. O sábado não foi feito para os judeus somente. Os judeus herdaram seu nome de Judá, um dos doze filhos de Jacó, de quem são descendentes. O sábado foi feito mais de 2000 anos antes de haver um único judeu. Assim como o casamento, o sábado foi dado na criação para todos os povos e em todas as épocas.

11) Que dia respeitou o nosso Senhor Jesus? “E, chegando a Nazaré, onde fora criado, entrou num dia de sábado, segundo o seu costume, na sinagoga, e levantou-se para ler.” Lucas 4:16.

12) Por que Jesus respeitou o dia de sábado? a) PORQUE ELE MESMO O CRIOU: “No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus. Ele estava no princípio com Deus. Todas as coisas foram feitas por ele, e sem ele nada do que foi feito se fez.” João 1:1-3. b) PORQUE O SÁBADO FAZ PARTE DOS MANDAMENTOS: “Se guardardes os meus mandamentos, permanecereis no meu amor; do mesmo modo que eu tenho guardado os mandamentos de meu Pai, e permaneço no seu amor.” João 15:10. Ser cristão de verdade significa fazer tudo o que Cristo fazia, inclusive guardar o dia que Ele guardava.

13) O que Jesus fazia no sábado? Exercia o Seu ministério de ensino e cura, além de ir à sinagoga: “E os escribas e fariseus observavam-no, se o curaria no sábado, para acharem de que o acusar. Mas ele bem conhecia os seus pensamentos; e disse ao homem que tinha a mão mirrada: Levanta-te, e fica em pé no meio. E, levantando-se ele, ficou em pé. Então Jesus lhes disse: Uma coisa vos hei-de perguntar: É lícito nos sábados fazer bem, ou fazer mal? salvar a vida, ou matar?” Lucas 6:7-9. Jesus teve que tratar com classes de judeus fanáticos, que eram os escribas e fariseus. Na mente destes homens, Jesus não podia exercer o ministério de cura no sábado. Note que Jesus não disse que devia trabalhar, mas sim fazer o bem no sábado, e também em qualquer outro dia da semana. “E por esta causa os judeus perseguiram a Jesus, e procuravam matá-lo, porque fazia estas coisas no sábado. E Jesus lhes respondeu: Meu Pai trabalha até agora, e eu trabalho também.” João 5:16 e 17. Com certeza Jesus não estava falando do Seu trabalho secular, de carpinteiro que era. O trabalho de Jesus era redentivo e de salvação da alma e do corpo. E o trabalho de Deus sempre foi o de manter o universo. Imagine se Deus tirasse o oxigénio do planeta por 5 minutos! Imagine se Deus resolvesse não perdoar os pecados de 1000 pessoas por dia!

14) Que dia da semana era santificado pelas santas mulheres? “E, voltando elas, prepararam especiarias e ungüentos; e no sábado repousaram, conforme o mandamento.” Lucas 23:56.
Contrariamente do que muitos dizem, os mandamentos continuaram vigentes no Novo Testamento, inclusive o 4º mandamento que requer a observância do santo sábado. Se assim não fosse, este verso e tantos outros deviam ser riscados do Novo Testamento.

15) Após a ressurreição de Jesus, o sábado continuou vigente. Que dia da semana respeitavam os santos apóstolos? “E Paulo, como tinha por costume, foi ter com eles; e por três sábados disputou com eles sobre as Escrituras.” Atos 17:2

“E todos os sábados disputava na sinagoga, e convencia a judeus e gregos.” Atos 18:4.

“E eles, saindo de Perge, chegaram a Antioquia, da Pisídia, e, entrando na sinagoga, num dia de sábado, assentaram-se; e, depois da lição da lei e dos profetas, lhes mandaram dizer os principais da sinagoga: Homens irmãos, se tendes alguma palavra de consolação para o povo, falai.” Atos 17:14 e 15. Eles adoravam no sábado.

“E, saídos os judeus da sinagoga, os gentios rogaram que no sábado seguinte lhes fossem ditas as mesmas coisas.” Atos 13: 42. Veja que os gentios sabiam que o costume dos apóstolos era adorar a Deus no sábado.

“E no dia de sábado saímos fora das portas, para a beira do rio, onde se costumava fazer oração; e, assentando-nos, falamos às mulheres que ali se ajuntaram.” Atos 16:13. Paulo e seus companheiros adoravam no sábado

“E orai para que a vossa fuga não aconteça no inverno nem no sábado” Mateus 24:20. Estas palavras de Jesus previam a destruição de Jerusalém que aconteceu na primavera do ano 70 d.C . O povo fiel de Deus deixou Jerusalém 3 anos antes. Veja o cuidado de Jesus para com o sábado mesmo depois da sua ressurreição.

16) Que dia será guardado no céu? Isaías é um profeta Messiânico. Que visão do futuro celestial teve ele? “Porque, como os novos céus, e a nova terra, que hei-de fazer, estarão diante da minha face, diz o Senhor, assim também há de estar a vossa posteridade e o vosso nome. E será que desde uma lua nova até à outra, e desde um sábado até ao outro, virá toda a carne a adorar perante mim, diz o Senhor.” Isaías 66.23 e 24

17) Diante do estudo apresentado que dia da semana, especialmente, devemos adorar Deus? a) DEVEMOS GUARDAR O DIA DO SENHOR: “Eu fui arrebatado no Espírito no dia do Senhor, e ouvi detrás de mim uma grande voz, como de trombeta.” Apoc. 1:10

“Assim o Filho do homem até do sábado é Senhor.” Marcos 2:28“. Se desviares o teu pé do sábado, de fazeres a tua vontade no meu santo dia, e chamares ao sábado deleitoso, e o santo dia do Senhor, digno de honra, e o honrares não seguindo os teus caminhos, nem pretendendo fazer a tua própria vontade, nem falares as tuas próprias palavras” Isaías 58:13. O dia do juízo também é apresentado como sendo o dia do Senhor. Mas veja que é no sentido de colocar fim aos pecados e pecadores.

“Porém, respondendo Pedro e os apóstolos, disseram: Mais importa obedecer a Deus do que aos homens....E nós somos testemunhas acerca destas palavras, nós e também o Espírito Santo, que Deus deu àqueles que lhe obedecem.” Atos 5:29 e 32.

O que devemos fazer? Manter íntima comunhão com Deus e guardar os Seus mandamentos, incluindo o 4º que requer a santidade do sábado.

4) Quarta Verdade Presente. O Ser Humano é Mortal até a Ressurreição. Deus disse que o homem morreria, caso desobedecesse e o diabo disse que não morreria. Ver Gênesis 2:16 e 17  e 3:1.5. Esta verdade está relacionada com a mensagem do segundo anjo. O segundo anjo anuncia a queda de Babilônia: “E outro anjo seguiu, dizendo: Caiu, caiu Babilônia, aquela grande cidade, que a todas as nações deu a beber do vinho da ira da sua fornicação.” Apocalipse 14:8 A doutrina do santuário celestial permeia a nossa compreensão sobre as verdade presente que a Bíblia apresenta. Aqui podemos incluir a vara de Arão, que estava dentro da arca da aliança que representa o guia da Palavra de Deus que deve nos orientar. A Bíblia é como a vara de Deus para nos orientar em todas as suas doutrinas. Esta verdade presente é mal interpretada, esquecida e desprezada por quase todas as pessoas das religiões do mundo. 

Babilônia é o falso sistema religioso dos últimos dias, representado, primeiramente, pela igreja Católica Apostólica Romana e também por todas as suas afiliadas, que transferiu o descanso do sábado para o domingo, ensina que o homem pode interceder e perdoar pecados, como vimos, mas que também ensina outras falsas doutrinas, ver Apoc 18:1-5, como a imortalidade da alma e um inferno a arder para sempre, pontos defendidos por evangélicos e protestantes, mas que não são defendidos pela Palavra de Deus; a vara de Arão.

Como fomos criados? “E formou o Senhor Deus o homem do pó da terra e soprou em seus narizes o fôlego da vida; e o homem foi feito alma vivente.” Gên. 2:7. Veja que o texto explica assim: Corpo+fôlego(espírito)=alma vivente. Dentro desta declaração bíblica, somos uma alma, e não temos uma alma separada do corpo. Logo, quando morremos a alma deixa de existir. Voltará a existir com a ressurreição.

A compreensão de Cristo sobre o estado do ser humano na morte é como um sono. Em relação a morte de Lázaro Jesus disse: "Assim falou; e depois disse-lhes: Lázaro, o nosso amigo, dorme, mas vou despertá-lo do sono. Disseram, pois, os seus discípulos: Senhor, se dorme, estará salvo. Mas Jesus dizia isto da sua morte; eles, porém, cuidavam que falava do repouso do sono. Então Jesus disse-lhes claramente: Lázaro está morto.” João 11:11-14.

A Bíblia não se contradiz; pois todos os escritores bíblicos foram inspirados pelo Espírito Santo e estão em sintonia perfeita. Salomão também falou sobre a inconsciência na hora da morte: “Porque os vivos sabem que hão-de morrer, mas os mortos não sabem coisa nenhuma, nem tampouco terão eles recompensa, mas a sua memória fica entregue ao esquecimento.” Eclesiastes 9:5.

Em Gênesis 2:7 menciona que recebemos o fôlego de vida quando nascemos, mas o que acontece na morte? Veja que acontece o sentido inverso: “E o pó volte e terra, como era, e o espírito volte a Deus, que o deu.” Eclesiastes 12:7. Na morte, quando o corpo não pode mais ser um instrumento em condições de abrigar o fôlego de vida, simplesmente, o fôlego de vida(espírito) volta para Deus. No momento em que alguém morre o fôlego de vida(espírito)da pessoa volta para o Doador da vida, e é isto o que a Bíblia fala em Eclesiastes 9.

O que acontece com a alma mesmo? em Ezequiel 18:20 lemos: “A alma que pecar essa morrerá”. Isso mesmo que você leu. A alma morre. No mesmo instante em que a pessoa morre a alma também morre. Por quê? Porque a alma é a pessoa, é o corpo com a vida. Sim, a Bíblia não diz que a alma é imortal. Pelo contrário, a Bíblia diz que a alma que pecar essa morrerá. E como nós todos  já nascemos pecadores, com a tendência para o pecado, todos nós somos mortais. Somos almas mortais, até a ressurreição.

Pode um morto estar no céu, dar conselhos, recados ou entrar em contato com os vivos? Não pode. Veja estes textos: “Porque os vivos sabem que hão-de morrer, mas os mortos não sabem coisa nenhuma, nem tampouco têm eles recompensa, mas a sua memória jaz no esquecimento. Até o seu amor, o seu ódio e a sua inveja já pereceram, e já não tem parte alguma neste século, em coisa alguma que se faz debaixo do sol”. Eclesiastes 9:5

“Sai-lhes o espírito(fôlego), e eles tornam para a sua terra, naquele mesmo dia perecem todos os seus pensamentos.” Salmo 146:4

“Os mortos não louvam ao Senhor, nem os que descem ao silêncio.” Salmo 115:17

“Porque na morte não há lembrança de Ti; no sepulcro quem Te louvará? Salmo 6:5

“Tal como a nuvem se desfaz e passa, aquele que desce à sepultura nunca tornará a subir.” Jó 6:9.

Deus nos dá uma boa notícia! A morte não é o fim e não existirá para sempre. A Bíblia diz que a morte está com os dias contados. A ressurreição dos salvos ocorrerá quando Jesus voltar, e os salvos serão ressuscitados para viverem a eternidade com Cristo. Até então todas as pessoas que morreram permanecem em suas sepulturas sem saberem de nada, Jó também tinha essa compreensão: “Porque eu sei que o meu Redentor vive, e que por fim se levantará sobre a terra. E depois de consumida a minha pele, contudo ainda em minha carne verei a Deus, vê-lo-ei, por mim mesmo, e os meus olhos, e não outros o contemplarão; e por isso os meus rins se consomem no meu interior.” Jó 19:25-27

“E Deus limpará de seus olhos toda a lágrima; e não haverá mais morte, nem pranto nem dor, porque já as primeiras coisas são passadas”. Apocalipse 21:4. Amém?

Os mortos que não forem salvos, ressuscitarão 1000 anos após a ressurreição dos salvos. Ver Apoc 20: 5. Portanto, haverá duas ressurreições. Veja a explicação a seguir:

Que eventos marcarão o início do Milênio? a) A VOLTA DE JESUS. Ver João 14:1-3. b) A MORTE DOS ÍMPIOS. Ver II Tessalonissenses 1:8 onde menciona que os ímpios serão destruídos quando Jesus voltar. c) RESSURREIÇÃO DOS JUSTOS. A Bíblia menciona que os mortos justos, isto é, os que forem salvos, serão ressuscitados no momento da volta de Jesus: Ver também I Cor. 15:51,52. d) ASCENÇÃO DOS JUSTOS PARA O CÉU. I Tessal. 4:17 menciona que após a ressurreição dos salvos os justos serão transformados e levados ao céu. e) SATANÁS SERÁ AMARRADO. Apoc. 20:1-3 descreve que Satanás será preso durante este período. Esta prisão será porque ele e seus demônios não terão a quem tentar e conduzir ao pecado. Pois os salvos estarão com Jesus no céu e os ímpios estarão mortos e sepultados nos destroços da terra. Nesta terra, que estará totalmente destruída e desabitada, Satanás e seus demônios poderão refletir as atrocidades que fizeram no decorrer dos milênios anteriores. “E vi descer do céu um anjo, que tinha a chave do abismo, e uma grande cadeia na sua mão. Ele prendeu o dragão, a antiga serpente, que é o Diabo e Satanás, e amarrou-o por mil anos. E lançou-o no abismo, e ali o encerrou, e pôs selo sobre ele, para que não mais engane as nações, até que os mil anos se acabem. E depois importa que seja solto por um pouco de tempo.” Apoc. 20-1-3.

Quais serão as actividades dos salvos durante o Milênio? Além de louvarem a Deus e desenvolverem as atividades de santos, participarão no julgamento dos perdidos, de Satanás e seus demônios, como já vimos no estudo verdade presente número dois

Que eventos marcarão o final do Milénio? a) A DESCIDA DA NOVA JERUSALÉM COM OS SALVOS: “E vi um novo céu, e uma nova terra. Porque já o primeiro céu e a primeira terra passaram, e o mar já não existe. E eu, João, vi a santa cidade, a nova Jerusalém, que de Deus descia do céu, adereçada como uma esposa ataviada para o seu marido.” Apoc. 21.1 e 2. b) A RESSURREIÇÃO DOS ÍMPIOS. Tanto o início como o final do Milênio são marcados por duas ressurreições. A primeira será dos santos e a segunda dos ímpios. Em João 5.28 e 19 menciona a respeito destas duas ressurreições. Veja este texto elucidativo: “Mas os outros mortos não reviveram, até que os mil anos se acabaram. Esta é a primeira ressurreição. Bem-aventurado e santo aquele que tem parte na primeira ressurreição; sobre estes não tem poder a segunda morte; mas serão sacerdotes de Deus e de Cristo, e reinarão com ele mil anos.” Apoc. 20: 5 e 6. c) SATANÁS SERÁ SOLTO. Ele será solto porque terá os ímpios a quem tentar e arregimentar, para tentarem destruir a Nova Jerusalém e os santos: “E, acabando-se os mil anos, Satanás será solto da sua prisão. E sairá a enganar as nações que estão sobre os quatro cantos da terra, Gogue e Magogue, cujo número é como a areia do mar, para as ajuntar em batalha.” Apoc. 20:7 e 8. d) SATANÁS E OS PECADORES SERÃO DESTRUÍDOS: “E subiram sobre a largura da terra, e cercaram o arraial dos santos e a cidade amada; e de Deus desceu fogo, do céu, e os devorou. E o diabo, que os enganava, foi lançado no lago de fogo e enxofre, onde está a besta e o falso profeta; e de dia e de noite serão atormentados para todo o sempre.” Apoc. 20:9 e 10. e) DEUS CRIARÁ NOVOS CÉUS E NOVA TERRA. Em Apocalipse 21: 1 a 3 mostra que Deus criará um novo mundo. O mesmo fogo que destruirá os demônios e os ímpios, purificará a terra.

Uma Palavra sobre o Inferno. Qual é o significado da palavra inferno no original hebraico e grego? Encontramos, na Bíblia, alguns termos para a palavra inferno.

a) Geena – No Velho Testamento, apenas em um determinado período, era o lugar onde se sacrificava pessoas aos ídolos pagãos. Tornou-se uma espécie de lixão de Jerusalém. Havia um fogo a arder dia e noite para queimar os detritos e vermes dos cadáveres de animais e pessoas que ali eram depositados. Ver sobre o Vale de Hinom em Jer. 7:31-34 e Isa 14:9-11. Tradutores da Bíblia, que defendem a imortalidade da pessoa e a ideia do fogo a arder eternamente, traduziram com o sentido do fogo queimar para sempre. Percebeu?

b) Hades e Sheol – Palavras usadas no Novo e Velho Testamentos para designar sepultura ou abismo. Ver Apoc. 20:10-14. Hades, o além, o mundo subterrâneo dos mortos é traduzido também por inferno. Na LXX,(septuaginta), Hades ocorre mais de 100 vezes, na maioria das vezes para traduzir o hebraico Sheol, o mundo subterrâneo que recebe todos os mortos. É uma terra de trevas, onde não há lembrança de Deus. Ver Jó 10:21-22, 26:5, Sal 6:5, 30:9, Sal. 15:17, Prov. 1:12, 27:20 e Isa 5:14.

c) Tanato – Traduzida corretamente como morte e sepultura. Ver I Cor. 15:55

d) Tártaros – Lugar de trevas. Ver II Pedro 2:4. Ocorre só neste texto mostrando que os anjos caídos foram para as trevas, no caso a própria terra.

Em nenhum destes textos analisados mostra um inferno a arder eternamente, e muito menos logo após a morte.

Entendendo melhor a expressão Bíblica, “Fogo Eterno: “Assim como Sodoma, e Gomorra , e as cidades circunvizinhas, que, havendo-se corrompido como aqueles e ido após outra carne, foram postas por exemplo, sofrendo a pena do fogo eterno.” S. Judas v. 7

“E ordenou à subversão as cidade de Sodoma e Gomorra, reduzindo-as a cinza e pondo-as como exemplo para aos que vivem impiamente.” II Pedro 2:6

Estas cidades foram totalmente destruídas. Eu estive em Israel e não vi as cidades ardendo. De acordo com a tradição, as cidades ficaram sepultadas onde hoje está o mar Morto. Veja outros exemplos: Isaías 47:14; Jeremias 17:27; Salmo 37.10; Prov. 10:25; Job 20:5-9; II Pedro 3: 10-13; Obadias 16; Isaias 47:14

Sodoma e Gororra foram totalmente destruídas. Eu estive em Israel e não vi as cidades ardendo. De acordo com a tradição, as cidades ficaram sepultadas onde hoje está o Mar Morto. Veja outro exemplo: “Mas, se não me ouvirdes, para santificardes o dia de sábado, e para não trazerdes carga alguma, quando entrardes pelas portas de Jerusalém no dia de sábado, então acenderei fogo nas suas portas, o qual consumirá os palácios de Jerusalém, e não se apagará.” Jeremias 17:27.

Estive em Jerusalém e a cidade não está a arder. A ideia, na língua original, é que o fogo não se apaga até que tenha combustível para ser queimado. Se fosse diferente disso, teríamos que admitir a ideia de que Jerusalém, Sodoma, Gomorra e cidades vizinhas estão queimando até hoje.

Como será a destruição final dos pecadores e do diabo? “Pela multidão das tuas iniquidades, pela injustiça do teu comércio, profanaste os teus santuários; Eu, pois, fiz sair do meio de ti um fogo, que te consumiu a ti, e te tornei em cinza sobre a terra aos olhos de todos os que te vêem.” Isaías 28:18

“Porque eis que aquele dia vem ardendo como forno; todos os soberbos e todos os que cometem impiedade serão como palha, e o dia que está para vir os abrasará, diz o Senhor dos Exércitos, de sorte que lhes não deixará nem raiz e nem ramo.” Malaquias 4:1

O mesmo fogo que destruirá Satanás e seus seguidores, purificará a terra; tendo início a vida eterna para os salvos de todas as gerações. O diabo, seus anjos e os perdidos serão destruídos definitivamente, e não ficarão ardendo etenamente, e reinará a paz e a harmonia entre os salvos.

Como vimos, mesmo de forma resumida, o fogo do inferno queimará os ímpios e o diabo, que serão consumidos, eles se tornarão em cinzas. Deus que é a fonte do amor, viverá em plena alegria com os Seus santos e os salvos não terão lembranças das coisas passadas.

“E Deus limpará de seus olhos toda a lágrima; e não haverá mais morte, nem pranto, nem clamor, nem dor; porque já as primeiras coisas são passadas.” Apoc. 20:4

“Porque, eis que eu crio novos céus e nova terra; e não haverá mais lembrança das coisas passadas, nem mais se recordarão.” Ver Isaias 65:17, Ver também Naum 1:9. Veja que estes textos referem-se ao final dos 1000 anos.

Deus é perfeito! Você que é pai ou mãe, admitiria a ideia de castigar um filho eternamente; no fogo, enquanto deixaria o outro filho no paraíso? Claro que não, muito menos Deus que é a fonte do Amor. Esta verdade presente adverte sobre a queda de Babilônia por causa dos seus erros doutrinários, como apresentados aqui. Você tem ensinado esta verdade presente às pessoas do seu convívio?

5) Quinta Verdade Presente. Convite para não Adorar a Besta e Para Sair de Babilônia. Esta verdade presente convida as pessoas à saírem de Babiônia que tem ensinado tantas doutrinas falsas às pessoas. Encontramos aqui a terceira mensagem angélica de forma clara: “E seguiu-os o terceiro anjo, dizendo com grande voz: Se alguém adorar a besta, e a sua imagem, e receber o sinal na sua testa, ou na sua mão, também este beberá do vinho da ira de Deus, que se deitou, não misturado, no cálice da sua ira; e será atormentado com fogo e enxofre diante dos santos anjos e diante do Cordeiro.” Apocalipse 14:9,10.

Aqueles que não atenderem esta clara advertência enfrentarão o julgamento e punição. Note a palavra “adoração”, novamente ligada ao julgamento. Adorar a besta em lugar de Deus é fornicação espiritual. A marca da besta é um sinal de fornicação e queda espiritual. Essa queda vem como resultado da rejeição da mensagem do terceiro anjo. A adoração da besta e a recepção de sua marca envolverão controvérsia com o sábado. A observância do sábado está baseada no relato bíblico da criação. Guardando o sábado, testemunhamos e evidenciamos nossa aceitação da primeira mensagem angélica, como vimos na terceira verdade presente apresentada neste estudo. Adorando no sábado testemunhamos que aceitamos a Bíblia como autoridade máxima. Adorando no sábado testificamos que aceitamos a salvação somente pela graça, baseada apenas nos méritos do sacrifício de Jesus e rejeitamos qualquer doutrina falsa, de homens. Aceitando o sábado bíblico também defendemos a criação de Deus em seis dias literais e rejeitamos a teoria da evolução.

Não aceitar a história da criação através das mãos de Deus seria remover a base para a observância do sábado, e excluir Deus como centro da adoração. Que melhor modo de destruir o sábado, o sétimo dia da criação de Deus, do que desacreditando da criação em seis dias literais. Alguns nos incentivam a aceitar outra história da criação, uma que esteja mais de acordo com as ideias de importantes cientistas e teólogos. Hoje é considerado impopular aceitar as palavras de um livro antigo; a Bíblia em vez das últimas ideias da ciência. Devemos pregar esta mensagem às pessoas do nosso convívio e a todas que conseguirmos.

Adorar a besta implica em aceitar algumas heresias como a veneração ao papa, a confissão de pecados aos sacerdotes, a intercessão e mediação de santos e a intercessão de Maria. Mas adorar a besta está relacionado de forma muito forte com o dia do domingo no lugar do sábado.

Por que a maioria das igrejas cristãs guardam o domingo? A Bíblia não autoriza a observância do domingo em nenhum dos seus textos. Se assim é, então temos que descobrir porquê. Em geral, as igrejas cristãs realizam cultos neste dia e não no sábado, conforme está na Bíblia.

O que disse Deus, através do profeta Daniel, que o poder representado pela “ponta pequena” cuidaria em fazer? “E proferirá palavras contra o Altíssimo, e destruirá os santos do Altíssimo, e cuidará em “mudar os tempos e a lei”; e eles serão entregues na sua mão, por um tempo, e tempos, e a metade de um tempo.” Daniel 7.25

Falando sobre o homem do pecado como descreve o apóstolo Paulo esse mesmo poder? “O qual se opõe, e se levanta contra tudo o que se chama Deus, ou se adora; de sorte que se assentará, como Deus, no templo de Deus, querendo parecer Deus.” II Tessal. 2:4

“E cuidará em “mudar os tempos e a lei” Daniel 7:25.

Veja algumas declarações da própria igreja Católica Romana confirmando esta profecia de forma inequívoca: “O papa tem poder para mudar os tempos, ab-rogar leis e dispensar todas as coisas, mesmo os preceitos de Cristo” Decretal de Translat, Epescop.

“A vontade do papa representa a razão. Ele pode dispensar a lei, e fazer do errado, direito, por meio de correções e mudanças das leis.” Discurso 96 do papa Nicolau.

“O papa é de tão grande autoridade e poder que pode modificar, explicar ou interpretar mesmo as leis divinas. O papa pode modificar as leis divinas, visto o seu poder não vir do homem, mas de Deus, e age como substituto de Deus na terra, com o mais amplo poder de ligar e religar o rebanho.” Prompta Biblioteca, publicado em roma em 1900. Licius Ferraris

“ O papa está livre de todas as leis, de modo que não pode incorrer em nenhuma sentença de irregularidade, suspensão, excomunhão ou penalidade por qualquer crime.” Papa Nicolau discuro 40
“A igreja Católica por sua própria e infalível autoridade criou o domingo como dia santificado para subistituir o sábado da velha lei.” Kansas City Catholic, de 9 de fevereiro de 1893

“O Domingo é uma instituição Católica, e sua observância só pode ser defendida por princípios Católicos. Do princípio ao fim da Escrituras não é possível encontrar uma única passagem que autorize a mudança do culto público semanal, do último para o primeiro dia da semana.” Catholic Press, Sidnei, Austrália de 25 de Agosto de 1900. Percebeu a urgência que temos de pregar o verdadeiro evangelho de Cristo?

Nesta mensagem o Senhor Jesus adverte que, caso Seu povo continue a participar dos pecados da Babilônia contemporânea, Deus derramará sobre ele muitos dos mesmos julgamentos que lançará sobre os pecadores. Jesus está nos chamando para as pessoas saírem de Babilônia. Numa época em que a tolerância, conciliação e ecumenismo estão na boca de quase todas as pessoas, o enfático alerta original de Jesus Cristo precisa ser ecoado novamente em todo o mundo! “Sai dela povo meu”. Nesta época de grande apostasia e sem precedentes na igreja cristã, os atalaias de Cristo precisam pregar esta verdade presente às pessoas para que as pessoas deixem de adorar a besta e passem a adorar o Senhor Jesus. Qualquer pessoa que ensine doutrinas que desviam-se das firmes doutrinas da Bíblia está levando seus seguidores diretamente ao abismo espiritual e à morte eterna. Sejamos verdadeiros atalaias do Senhor!

6) Sexta Verdade Presente. A Reforma da Saúde. Em que sentido a reforma da saúde faz parte da mensagem do terceiro anjo? “Se alguém adorar a besta, e a sua imagem, e receber o sinal na sua testa, ou na sua mão…” Apocalipse 14:9. Como temos visto sobre as três mensagens angélicas, neste estudo, a porção do maná que estava na arca da aliança facilita a ênfase que Deus dá na alimentação natural e no viver saudável. Não é curioso?

E, é no sentido de preparar pessoas à terem uma boa saúde física, mental e espiritual para compreenderem a mensagem de vida ou morte, de salvação ou condenação, por adotar um sistema religiosos falido e adorar a besta com suas falsidades. É importante que a igreja de Deus esteja envolvida na pregação desta mensagem, tanto para os de dentro como para os de fora. E quando as pessoas estiverem com a mente desbloqueada e capaz de aprenderem sobre as doutrinas de Deus, então fica mais fácil elas perceberam qual é a vontade de Deus e foi nesse sentido que Ellen White disse: “A reforma de saúde, foi-me mostrado, é parte da mensagem do terceiro anjo, e está com ela tão intimamente relacionada como o estão o braço e a mão em relação ao corpo humano. Vi que nós como um povo precisamos progredir nesta grande obra. Pastores e povo devem agir em harmonia. O povo de Deus não está preparado para o alto clamor do terceiro anjo. Eles têm uma obra a fazer por si mesmos, a qual não devem deixar para que Deus faça por eles. Ele deixou esta obra para que eles a façam. É um trabalho individual; uma pessoa não pode fazê-lo para outra.” Testimonies, vol. 1, pág. 486.

“A obra da reforma de saúde é o meio empregado pelo Senhor para diminuir o sofrimento de nosso mundo, e para purificar Sua igreja. Ensinai ao povo que eles podem desempenhar o papel da mão ajudadora de Deus, mediante sua cooperação com o Obreiro-Mestre na restauração da saúde física e espiritual. Esta obra traz o selo divino, e há-de abrir portas para a entrada de outras verdades preciosas. Há lugar para trabalharem todos quantos efetuarem esta obra inteligentemente.” Testimonies, vol. 9, págs. 112 e 113.

Como podemos participar desta verdade presente? Em primeiro lugar, lendo todas as informações inspiradas para a igreja de Deus através da Bíblia e Sua serva Ellen White, e adotando posturas humildes em desejar mudar o estilo de vida ao plano estipulado por nosso Criador, que é o original. Em segundo lugar os filhos de Deus devem participar de ações que levem informações à população em geral. 

Os Adventistas do Sétimo Dia são conhecidos por sua preocupação com a saúde de maneira preventiva e integral. Nós acreditamos que tudo aquilo que afeta o corpo também afeta a mente, que tem sua sede no corpo e vai facilitar ou dificultar a comunicação com a Divindade. É por isso que a Igreja desenvolve seus projetos de saúde por meio de três frentes bem definidas: A) Instituições de saúde como; clínicas, hospitais e centros de viver saudável com a ênfase na de prevenção e cura. B) Ampla produção de literatura sobre o tema da saúde através das várias casas editoras no mundo C) Realização de cursos sobre alimentação, seminários palestras sobre vários temas de saúde, expo saúde ou feira de saúde, rastreios de saúde e eventos práticos onde e ensina às pessoas a terem uma melhor qualidade de vida.

A Abstinência total da bebidas alcoólicas e o uso de alimentos imundos é o primeiro passo a viver e a ensinar às pessoas. Estes pontos estão descritos de forma ampla na Bíblia e requer um estudo especifico à parte. Mas cito alguns textos para a sua consulta: Levítico 11; Deuteronômio 14; Levitico 17;13 e 14; Levítico 7: 22 e 24; provérbios 23:20; 20:1 e I Cor. 6:10. O  segundo passo a dar é viver e ensinar o uso de alimentos naturais, sem carnes, para gozarmos melhor saúde física, mental e espiritual. 

A base do ensino dos Adventistas do 7º Dia quanto a saúde é o reconhecimento da existência de oito remédios naturais, gratuitos e disponíveis a todas as pessoas. São oito princípios gerais de como desenvolver e manter uma vida saudável nos aspectos; físico, mental, emocional e espiritual. Para os adventistas, conforme Romanos 12:1 e 2, a qualidade de vida não deve ser buscada apenas para longevidade ou bem-estar momentâneo, mas por conta de uma bem-sucedida relação entre a criatura e o Criador e Originador da vida e para a conquista da vida eterna.

Eis os oito remédios oferecidos por Deus: A) Alimentação Saudável. Uma alimentação saudável envolve dois aspectos: evitar alimentos que prejudicam o organismo e usar com moderação os alimentos que são benéficos com destaque para a alimentação vegetariana rica em fibras e nutrientes, encontrados nos alimentos integrais e o uso moderadíssimo do sal e do acúcar que são dois grandes vilões da saúde pública e de alguns que se tornam vegetarianos. Sabemos que os alimentos cárneos e seus derivados estão cada vez mais perigosos para o consumo humano e torna-se sábio deixar de lado tais alimentos, pois Deus nos advertiu através de Sua serva, Ellen White, sobre isso.  B) Uso da água. A água é essencial para transportar alimentos, oxigênio e sais minerais, além de estar presente naquilo que se elimina como suor e lágrimas, no plasma sanguíneo, nas articulações, nos sistemas respiratório, digestivo e nervoso, na urina e na pele. C) Ar Puro. É importante para a saúde buscar lugares onde haja ventilação em que o ar puro seja respirado. D) Luz solar. Uma das principais orientações é que as casas tenham locais de iluminação solar. Às vezes, é necessário remover cortinas, abrir as janelas, suspender persianas para que os raios de sol entrem nos ambientes. O nosso organismo necessita de vitamina D, e o sol é o seu melhor transmissor.  E) Exercício Físico. As atividades físicas devem ser feitas pelo menos 3 vezes por semana, pelo menos 40 minutos cada vez.  F) Sono. Além de se dormir o número de horas correta diariamente, é importante reservar um dia da semana para um processo de restauração das relações sociais e familiares, descanso das atividades física e mentais cotidianas e maior conexão espiritual com Deus, que é o dia de Sábado. G) Temperança- Temperança envolve mais do que a abstinência de certos tipos de drogas lícitas ou ilícitas, mas o uso dos remédios naturais de Deus, além de uma vida equilibrada no trabalho, no lazer e nas relações pessoais. H) Confiança em Deus. É imprescindível para uma saúde integral de qualidade a vivência de uma religião prática e não apenas a fé nominal. Confiar em Deus é mais do que saber que Ele existe, significa ter um relacionamento de amor com Ele e obedecer a Sua Palavra.

Há pessoas que se especializam na área da saúde e acham que esta verdade presente é a única mensagem que deve ser pregada, mas ela não é a mensagem principal, ela apenas abre oportunidades para a pregação da mensagem. Veja esta referência da serva do Senhor: “A reforma de saúde está intimamente relacionada com a mensagem do terceiro anjo, mas ela não é a mensagem. Nossos pregadores devem ensinar reforma de saúde, mas não devem fazer disto o tema predominante em lugar da mensagem. Seu lugar é entre aqueles assuntos que promovem a obra de preparação para enfrentar os acontecimentos previstos pela mensagem; entre esses ela é preeminente. Devemos sustentar toda reforma com zelo, mas devemos evitar a impressão de que somos vacilantes e sujeitos ao fanatismo.” Testimonies, vol. 1, pág. 559. 

Esta é uma mensagem que deve ser vivida e pregada por todos aqueles que estão se preparando para viver a eternidade. Não podemos violar a lei natural mediante a satisfação de apetites pervertidos e de concupiscentes paixões, sem que quebremos a lei de Deus. Deus permitiu que brilhasse sobre nós a luz da reforma de saúde, para que vejamos nosso pecado em violar as leis por Ele estabelecidas em nosso ser e para que, como povo, ensinemos o mundo sobre as leis da saúde. A serva do Senhor disse: “Esse é um elemento que distingue a obra para este tempo. A obra médico-missionária é como o braço direito da terceira mensagem angélica, que deve ser proclamada ao mundo caído; e os médicos, os administradores, e os obreiros em qualquer ramo, desempenhando-se fielmente de sua parte, estão fazendo a obra da mensagem. Assim o som da verdade irá a toda nação, tribo, língua e povo. Nesse trabalho, os anjos fazem uma parte.” Testemunhos Para a Igreja 6, 229

7) Sétima Verdade Presente. A Justificação Pela Fé. O que é justificação pela fé? Em essência, é o perdão de Deus para os nossos pecados e a salvação que é concedida pela graça, recebida pela fé através dos méritos de Cristo. A mensagem mais linda que há na Bíblia é a do amor de Deus em enviar Jesus para morrer em favor dos pecadores. A morte de Jesus está diretamente relacionada com com o Seu perdão. Deus nos perdoa completamente. Ver Isaías 43:24 e Hebreus 8:12. O Seu perdão é gratuito. Ver Rom. 3:24. Somos perdoados e considerados justos no ato da confissão. Ver Lucas 23:39-43. Obter o perdão é como pagar uma dívida. Como o pecador não tem como pagar a dívida dos pecados, Jesus pagou-a na cruz do Calvário, e oferece o Seu perdão e salvação à todos os que desejam aceitar.

A mensagem principal da Bíblia é o grande amor de Deus em nos salvar e nos restaurar. E quando somos salvos desejamos manter comunhão com o Criador e obedecer aos Seus mandamentos. A irmã Ellen White menciona que a mensagem da justificação pela fé é a mensagem do terceiro anjo,  “Se alguém adorar a besta, e a sua imagem, e receber o sinal na sua testa, ou na sua mão…” Apocalipse 14:9, logo concluímos que esta é uma verdade presente: "Várias pessoas me escreveram perguntando se a mensagem de justificação pela fé é a mensagem do terceiro anjo, e respondi-lhes: 'É verdadeiramente a mensagem do terceiro anjo.' " Review and Herald, 1 de abril de 1890.

Em que sentido a justificação pela fé está relacionada com a mensagem do terceiro anjo? Esta declaração de Ellen White tem um sentido profundo e vital. Soa como uma séria advertência, e faz um apelo inteligente e ardente a todo o que crê na mensagem do terceiro anjo. Isso significa que a mensagem de justificação pela fé e a mensagem do terceiro anjo são idênticas em propósito, escopo e resultados. Sabemos que justificação pela fé é o modo divino de salvar pecadores; Sua maneira de convencer os pecadores de sua culpa, sua condenação, e condição inteiramente perdida e sem esperança. É também a forma divina de cancelar a culpa, livrando os homens da condenação de Sua divina lei, e dando-lhes um novo posicionamento perante Ele e Sua lei santa. A justificação pela fé é a maneira de Deus transformar homens e mulheres fracos e pecadores em cristãos fortes, vitoriosos e justos. Amém?

Esta mensagem deve pôr de maneira clara e fervorosa diante do mundo o Salvador crucificado, ressurecto, único intercessor no santuário celestial, juiz e expiador dos pecados de todo o mundo. O Salvador crucificado deve aparecer em Sua eficaz obra como o Cordeiro sacrificado. Os séculos, o tempo, nunca poderão diminuir a eficácia de sacrifício expiatório de Jesus. Ellen White assim se expressa: “A mensagem do evangelho de Sua graça devia ser dada à igreja em linhas claras e distintas, para que não mais o mundo dissesse que os Adventistas do Sétimo Dia falam na lei, na lei, mas não ensinam a Cristo nem nEle crêem. A eficácia do sangue de Cristo devia ser apresentada ao povo com vigor e poder, para que sua fé se pudesse apropriar de Seus méritos” Evangelismo, 191. Amém?

O terceiro anjo acompanha as outras mensagens com uma advertência contra a adoração à besta e ao recebimento da sua marca, rever Apoc 14:9-11. Essa mensagem mostra que o conflito final girará em torno da lealdade a Deus por meio da guarda dos Seus mandamentos ou à obediência a preceitos humanos. Os que aceitarem o domingo, o falso dia de adoração, serão atingidos pelas sete últimas pragas que serão derramadas “sem mistura” de misericórdia de Deus. Ver Apoc 14:9, 10; 15:1; 16.

Em contraste, haverá o grupo daqueles que permanecerão fiéis a Deus mesmo diante das mais terríveis ameaças e que foram classificados como santos por guardarem “os mandamentos de Deus” como fruto de sua “fé em Jesus”. Ver Apoc 14:12. Aqui está a fé genuína que gera obediência.
Nós aceitamos a mensagem dos três anjos de Apoc.14 e então temos o dever de passar pela experiência da justificação pela fé. Devemos permitir que Jesus seja revelado em nós em Sua plenitude para sermos evangelista deste amor. Devemos conhecer por experiência pessoal a obra de regeneração. Devemos ter plena certeza de que nascemos de novo, através do Espírito Santo, e que passamos da morte para a vida. Devemos saber que a nossa culpa foi cancelada, que fomos livrados da condenação da lei, e assim estamos prontos para aparecer perante o trono do juízo de Cristo aquando da Sua segunda volta.

Somos convidados a lançarmos mãos da "fé de Jesus" e sermos por ela segurados, e que por esta fé somos capacitados a observar os mandamentos de Deus. A menos que esta experiência seja obtida, teremos somente a teoria, as doutrinas, as formas e atividades da mensagem. Isto não podem salvar do pecado, nem preparar o coração para enfrenta o juízo iminente.

Na Justificação pela fé existe um apelo para entrarmos em plena comunhão com Jesus, nosso Senhor. Há também a garantia de que, quando justificados pela fé, temos paz com Deus, e seremos capazes de regozijar-nos continuamente na esperança da glória de Deus. Há a promessa de que não seremos envergonhados por derrota em nosso conflito com o pecado, porque o amor de Deus tem sido derramado amplamente em nossos corações pelo Espírito Santo que nos foi dado. Ver Romanos 5:1-5.

Esta mensagem apela-nos também à convidarmos pessoas ao arrependimento e mudança de vida: “E, ouvindo eles isto, compungiram-se em seu coração, e perguntaram a Pedro e aos demais apóstolos: Que faremos, homens irmãos? E disse-lhes Pedro: Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo, para perdão dos pecados; e recebereis o dom do Espírito Santo” Atos 2:37 e 38. Compungir o coração significa sentir o desejo de harmonizar a vida de acordo com a vontade de Deus. A isto chamamos de arrependimento. O arrependimento implica sentir uma dor sincera e profunda por ter cometido o pecado. Ver II Cor. 7:10

Confessar os pecados é o seguinte passo:“Quando eu guardei silêncio, envelheceram os meus ossos pelo meu bramido em todo o dia. Porque de dia e de noite a tua mão pesava sobre mim; o meu humor se tornou em sequidão de estio. Confessei-te o meu pecado, e a minha maldade não encobri. Dizia eu: Confessarei ao Senhor as minhas transgressões; e tu perdoaste a maldade do meu pecado.” Salmo 32: 3-5 A confissão dos pecados é necessária, pois será somente assim que teremos paz de espírito. A confissão é também um mandamento do evangelho e não pode haver perdão se não houver uma confissão completa e sincera. Ver Prov. 28:13

“Se confessarmos os nossos pecados, Ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados, e nos purificar de toda a injustiça.” I João 1:9

“Porque há um só Deus, e um só Mediador entre Deus e os homens, Jesus Cristo homem.” I Tim. 2:5. Ver também Atos 4:12. Após a morte de Jesus não precisamos mais de sacerdotes humanos para representar e intermediar entre Deus e os fiéis. Ver Apoc. 1:5

A mensagem do terceiro anjo apela para a adoração ao verdadeiro Deus e não ao “eu” ou a “besta”. Nesse tempo, o tempo do fim, no qual a tríplice mensagem deve ser proclamada, Deus suscita um povo para cumprir essa solene missão. Esse povo é identificado como aqueles “que guardam os mandamentos de Deus e têm o testemunho de Jesus.” Apoc 12:17. A Igreja Adventista do Sétimo Dia se enquadra nessa classificação, pois surge no período do tempo do fim exaltando a comunhão com Deus e a salvação pela fé e pela graça apenas, mas que não despreza a obediência à Lei de Deus, com ênfase especial na validade do mandamento do sábado. Desse modo, há um povo que prega uma mensagem específica no tempo determinado pela profecia. Esse povo foi levantado para restaurar as verdades que foram lançadas por terra durante o período de supremacia papal, reparar as “brechas” feitas na lei de Deus, edificando, assim, “as antigas ruínas”. Ver Isaías 58:12.

Nossa responsabilidade é levar ao mundo uma mensagem singular, preparando a seara da terra para a vinda do Filho do homem. A serva de Deus declara: “Em sentido especial foram os adventistas do sétimo dia postos no mundo como vigias e portadores de luz. [..,] Confiou-se-lhes uma obra da mais solene importância: a proclamação da primeira, segunda e terceira mensagens angélicas. Nenhuma obra há de tão grande importância. Não devem eles permitir que nenhuma outra coisa lhes absorva a atenção. As mais solenes verdades já confiadas a mortais nos foram dadas, para as proclamarmos ao mundo. A proclamação dessas verdades deve ser nossa obra. O mundo precisa ser advertido, e o povo de Deus deve ser fiel ao legado que se lhe confiou”

Tal responsabilidade deve incutir em nós um senso de missão jamais visto em outro povo. Precisamos nos unir e concentrar as nossas forças nessa direção. Somente cumpriremos essa missão com a ajuda do Espírito Santo. Em Apocalipse 18:1, a terra é vista sendo iluminada pela glória celestial, e essa glória é a manifestação poderosa do Espírito Santo no tempo do fim, derramando Seu poder sobre a igreja como “chuva serôdia! Estamos preparados?

Enquanto que o perdão de Deus resulta em justificação, a comunhão diária com Deus resulta em santificação. O segredo da santificação é crescer no conhecimento de Deus a cada dia. Quando Jesus voltar todos os salvos passarão pela experiência da glorificação.

“E, libertados do pecado, fostes feitos servos da justiça. Falo como homem, pela fraqueza da vossa carne; pois que, assim como apresentastes os vossos membros para servirem à imundícia, e à maldade para maldade, assim apresentai agora os vossos membros para servirem à justiça para santificação.” Rom. 6:18 e 19

Luís Carlos Fonseca

1 comentário: