quarta-feira, 26 de outubro de 2016

COMENTÁRIOS DA LIÇÃO 8 (4º trimestre 2016) SANGUE INOCENTE

COMENTÁRIOS DA LIÇÃO 8 (4º trimestre 2016) SANGUE INOCENTE

VERSO ÁUREO: “Ora, a fé é o firme fundamento das coisas que se esperam, e a prova das coisas que se não vêem.” Hebreus 11:1

INTRODUÇÃO (sábado 12 de novembro)Por que acontecem coisas más com pessoas boas? 

Por que pessoas inocentes sofrem e morrem precocemente? 

O Senhor Jesus Cristo foi o único verdadeiro inocente em toda a história humana, todavia sofreu mais do que qualquer um. As perguntas acima são perguntas difíceis de toda a teologia bíblica.

A lição traz a preocupação do escritor francês que, no seu livro “A peste”, usou a metáfora da peste para exemplificar o sofrimento humano. Ele usou a história de um menino que morreu de uma peste terrível. Um religioso que estava no local da morte disse ao médico que esse tipo de coisa lhe causava muita revolta. O sacerdote tentou remediar a situação dizendo ao médico que devemos encontrar no sofrimento um motivo para amar a Deus. O médico respondeu: “Não padre: eu tenho uma ideia muito diferente sobre o amor e até o dia da minha morte recusar-me-ei a amar um estado de coisas em que crianças são torturadas.”

Jó e seus amigos tentaram encontrar respostas para o sofrimento de Jó, mas, obtiveram apenas respostas muito vagas. Na verdade nós hoje encontramos respostas apropriadas para o sofrimento, pois conhecemos a sua origem. Mas, assim mesmo torna-se difícil explicar às pessoas a razão do sofrimento humano. Da mesma forma como é difícil encontrar respostas para o sofrimento de pessoas boas, também é difícil responder; por que Deus permite que coisas boas aconteçam com pessoas más?

O problema da dor e do sofrimento é um argumento usado pelos ateus para eliminar Deus do pensamento humano. Diz a Bíblia: " Diz o néscio no seu coração: Não há Deus.” Salmo 14:1. C.S. Lewis, disse que o sofrimento é a arma mais poderosa do ateísmo contra a fé cristã. Toda a ciência verdadeira e a história, se bem entendidas, apoiam a existência de Deus. Mas, muitas pessoas eliminam Deus porque não compreendem e nem aceitam o sofrimento humano, especialmente de pessoas inocentes.

Embora eu tente explicar a revelação que temos na Bíblia sobre o grande conflito entre Satanás e Deus, eu não consigo fazer, pois muitas pessoas não entendem e nem aceitam o sofrimento. Sabemos que a entrada do pecado na terra maculou o universo e trouxe muito sofrimento para toda a terra. Veja este texto: "..todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus.” Romanos 3:23. Entendemos que não existe ninguém que tenha o direito de escapar da punição do pecado, que é permitida por Deus, com base em sua própria inocência. Na verdade o ser humano não é inocente. Até os bebês e outras pessoas que são impossibilitadas mentalmente de distinguir entre certo e errado, eles são pecadores por natureza. Ver Salmo 51:5. Por isso; serão inevitavelmente pecadores voluntários assim que possam fazer escolhas. Então, em sua essência, a teologia bíblica do sofrimento também inclui os inocentes.

Deus não criou o mundo como ele está. O mundo está agora sob a maldição de Deus, ver Gên. 3:17, devido à rebelião do homem contra a Palavra de Deus. Este cativeiro do mal, ligado ao fato de que "toda a criação, conjuntamente, geme e está com dores de parto " Romanos 8:21, 22, é universal, afetando todas as pessoas em toda parte. Geralmente usamos o argumento da entrada do pecado para explicar a origem do sofrimento, dor e morte, mas devemos lembrar também das escolhas dos pais, governantes e outras pessoas que proporcionam o sofrimento humano. Logo, o mau uso da liberdade gera o sofrimento. Decisões precisam ser pensadas, pois toda decisão traz uma consequência boa ou ruim.

Devemos sempre ter em mente que as nossas decisões precisam ser submetidas a Deus que tem a palavra final. Veja Provérbios 16:1 e 19:21. Quero apenas lembrar você de que está colhendo hoje o que plantou ontem e vai colher amanhã o que está plantando hoje. Muitos estão colhendo hoje o que plantou ontem e estão colocando a culpa nos outros e em Deus por seus insucessos na vida. Que culpa tem Deus se a pessoas usam drogas e matam pessoas inocentes? Se os homens constroem armas para matar pessoas em guerra? Se os governantes são egoístas e não distribuem as rendas corretamente e geram a miséria humana? Se ditadores escravizam seus cidadãos para ficarem ricos ou se não cultivam a terra e falta alimentos? Se a pessoa é orgulhosa e rompe relacionamentos e causam ruturas na família, no trabalho e entre amigos? Se pessoas derramam sangue inocente?

Já passou por problemas onde presenciou o derramamento de sangue inocente? Como lidou com o assunto?

DOMINGO (13 de novembro) O PROTESTO DE JÓQual foi o protesto de Jó? Encontramos em Jó capítulo 10 a resposta de Jó à Deus. Primeiro Jó disse que estava farto de vida que levava e que ia falar a Deus tudo o que pensava: “A minha alma tem tédio da minha vida; darei livre curso à minha queixa, falarei na amargura da minha alma.” Jó 10:1. Depois ele começa o seu discurso dirigido a Deus: “Direi a Deus: Não me condenes; faze-me saber por que contendes comigo.” Jó 10:2. No verso 3 Jó fala que Deus atende aos ímpios e despreza os justos. Ele falou tendo como base a sua compreensão do sofrimento. Depois que os amigos de Jó lhe acusaram de pecados, e este era o pensamento pagão corrente daquela época; “se estava sofrendo, isso era catigo de Deus”. Veja a afirmação que Jó fez a Deus: “Pois investigas a minha iniquidade e vasculhas o meu pecado.” Jó 10:6. No verso 14 Jó repete esse pensamento errado da sua época: “Se eu pecasse, estarias me observando e não deixarias sem punição a minha ofensa.”

Jó sabia que tinha sido criado por Deus, mas protestou sobre o porquê de tanto sofrimento: “Embora saibas que não sou culpado e que ninguém pode livrar-me das tuas mãos. Foram as tuas mãos que me formaram e me fizeram. Irás agora voltar-te e destruir-me? Jó 10:7 e 8. Jó também reclamou a sua inocência: “Se eu fosse culpado, ai de mim! Mesmo sendo inocente, não posso erguer a cabeça, pois estou dominado pela vergonha e mergulhado na minha aflição.” Jó 10:15. Jó outra vez contendeu com Deus sobre a sua preferência pela morte: "Então, por que me fizeste sair do ventre? Eu preferia ter morrido antes que alguém pudesse ver-me. Se tão-somente eu jamais tivesse existido, ou fosse levado direto do ventre para a sepultura!” Jó 10:18 e 19 e finalmente Jó pediu para Deus eliminar o seu sofrimento e expressa seu desejo de ter morrido ao nascer. Desde que Deus não permitiu isso e seus dias restantes são poucos, Jó pede a Deus que o deixe em paz: “Já estariam no fim os meus poucos dias? Afasta-te de mim, para que eu tenha um instante de alegria.” V. 20.

É correto desejar a morte como Jó? "Tudo o que não provém de fé é pecado." Romanos 14:23. Desejar fugir do sofrimento, seja físico ou emocional, é uma condição muito humana. Até mesmo Jesus Cristo orou assim: "Meu Pai, se possível, passe de mim este cálice! Todavia, não seja como eu quero, e sim como tu queres." Mateus 26:39. Jesus sabia o que estava para vir na cruz, mas observe que Ele Se submeteu à vontade de Deus. Em todas as coisas, Jesus submeteu-Se à vontade do Pai. Ver João 5:30. Como filhos de Deus, devemos sempre orar: " que Sua vontade seja feita." Nenhum de nós vai morrer antes da hora certa. Davi confirma a verdade de que todos os nossos dias são planejados por Deus e nada vai encurtá-los fora da Sua vontade. Veja este texto: "Os teus olhos me viram a substância ainda informe, e no teu livro foram escritos todos os meus dias, cada um deles escrito e determinado, quando nem um deles havia ainda.” Salmo 139:16.

Portanto, ao invés de orar para morrer, é melhor orar pedindo forças para Deus a fim de permanecermos firmes em qualquer sofrimento que estivermos passando e confiar em Deus, pois Ele nos ajuda. O sofrimento é difícil, e às vezes a parte mais difícil é entender o porquê. O sofrimento nos humilha, e ninguém gosta de ser humilhado. Mas quando perguntamos: Por que eu, Senhor?, a resposta pode ser apenas; por que não pode ser você?. O sofrimento vem para os crentes também com o propósito de ajudar a aproximar-se mais de Deus. O salmista nos diz assim: "O caminho de Deus é perfeito.” Salmo 18:30. Se os caminhos de Deus são perfeitos, então podemos confiar que tudo o que Ele faz, e permite acontecer conosco, é para o nosso próprio bem.

Jó foi muito ousado em discutir e protestar com Deus sobre o seu sofrimento. Na oração podemos ser ousados com Deus e lançar mãos dos nossos direitos revelados nos evangelhos. Jó sabia que estava sofrendo indevidamente, e disse isso para Deus. Nós também devemos acreditar naquilo que nos foi revelado e usar os nossos direitos de crentes: Veja estes textos: Tendo, pois, irmãos, ousadia para entrar no santuário, pelo sangue de Jesus.” Hebreus 10:19.

“Cheguemo-nos com verdadeiro coração, em inteira certeza de fé, tendo os corações purificados da má consciência, e o corpo lavado com água limpa.” Hebreus 10:22.

“Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, aos que crêem no seu nome.” João 1:12

“Quem tem o Filho tem a vida; quem não tem o Filho de Deus não tem a vida.” I João 5:12

SEGUNDA-FEIRA (14 de novembro) SANGUE INOCENTE - A primeira coisa que necessitamos entender é que o sofrimento entrou no mundo como consequência do pecado. Quando Adão e Eva foram criados e colocados no Jardim do Éden, Deus lhes deu um único mandamento, e lhes advertiu que a desobediência dele traria como consequência a morte: “E tomou o Senhor Deus o homem, e o pôs no jardim do Éden para o lavrar e o guardar. E ordenou o Senhor Deus ao homem, dizendo: De toda a árvore do jardim comerás livremente, mas da árvore do conhecimento do bem e do mal, dela não comerás; porque no dia em que dela comeres, certamente morrerás.” Gênesis 2:15-17. 

Como nossos pais falharam, Deus cumpriu a Sua palavra: “E à mulher disse: Multiplicarei grandemente a tua dor, e a tua conceição; com dor darás à luz filhos; e o teu desejo será para o teu marido, e ele te dominará. E a Adão disse: Porquanto deste ouvidos à voz de tua mulher, e comeste da árvore de que te ordenei, dizendo: Não comerás dela, maldita é a terra por causa de ti; com dor comerás dela todos os dias da tua vida. Gênesis 3:16,17.

Qual foi o primeiro sangue inocente derramado no mundo? Foi o de Abel. Depois que Caim matou Abel, Deus disse: “E disse o Senhor a Caim: Onde está Abel, teu irmão? E ele disse: Não sei; sou eu guardador do meu irmão? E disse Deus: Que fizeste? A voz do sangue do teu irmão clama a mim desde a terra. E agora maldito és tu desde a terra, que abriu a sua boca para receber da tua mão o sangue do teu irmão.” Gênesis 4:9-11. Desde esse primeiro crime, vemos muito sangue inocente sendo derramado sobre a terra.

A lição de hoje reforça a ideia, já apresentada na introdução, de que o ser humano não é inocente. Até os bebês e outras pessoas que são impossibilitadas mentalmente de distinguir entre o certo e o errado, são pecadores por natureza. Ver Salmo 51:5. Por isso; serão inevitavelmente pecadores voluntários assim que possam fazer escolhas. Então, em sua essência, a teologia bíblica do sofrimento inclui os inocentes também. Ver os textos que mostram que todas as pessoas são pecadoras. I Reis 8:46; Prov 20:9; Isaías 53:6 e Romanos 3:10-20.

Já que ninguém é inocente e que sofremos as consequências diretas do pecado, oriundas de Satanás, o que os governantes, pais, educadores e a igreja de Deus podem fazer para aliviar o sofrimento das crianças e inocentes? As escolhas dos pais, governantes, políticos e outras pessoas também são responsáveis pelo sofrimento humano e de pessoas inocentes. Portanto, concluímos que o mau uso da liberdade gera o sofrimento. Decisões precisam ser pensadas, pois toda decisão traz uma consequência boa ou má. Não entendemos muito bem e nem aceitamos as guerras que geram fome e morte de crianças e pessoas indefesas e inocentes, e quando isso acontece ficamos sem palavras para consolar os sofredores, e quando somos nós as vítimas, sofremos calados.

É bom lembrarmos que Jesus derramou o Seu sangue inocente para nos salvar. Veja a declaração da Bíblia sobre Pilatos: "Então Pilatos, vendo que nada aproveitava, antes o tumulto crescia, tomando água, lavou as mãos diante da multidão, dizendo: Estou inocente do sangue deste justo. Considerai isso.” Mateus 27: 24. Todos somos convidados à vivermos uma vida de santidade para valorizarmos o sangue de Cristo que foi dado em nosso favor. Devemos lavar a nossa culpa no sangue de Jesus e assumir a nossa cota de culpa pela morte de Cristo, pois somente quem aceita sua parcela de culpa da cruz pode reivindicar parte na Sua graça. Jesus morreu por Pilatos, por você e por mim. Você é grato pelo sangue inocente de Jesus? Fico emocionado quando penso no amor que levou Jesus Cristo à cruz e que O levou a entregar a Sua vida para me salvar.

Nem Jó e nem seus amigos tinham a concepção correta do sofrimento. Eles não sabiam que o sofrimento é extensivo tanto à pessoas boas como más, tanto a adultos como a crianças, tanto a culpados como a inocentes. Eles não compreendiam a atuação de Satanás que gera o sofrimento, sempre com a permissão de Deus. Uma vez que temos a compreensão da origem da dor e do sofrimento, como temos reagido às vicissitudes da nossa vida e consolado as pessoas que sofrem? 
Quando Jesus na cruz exclamou: “Está consumado!” a guerra terminou. O sangue do Inocente foi derramado pelo culpado. A vida que Ele entregou, resgatou a raça humana da morte eterna e selou a condenação daquele que tem o poder da morte, o diabo.” Cristo Triunfante, 319

“Satanás deleita-se na guerra; pois esta excita as mais vis paixões da alma, arrastando então para a eternidade as suas vítimas engolfadas no vício e sangue. É seu objetivo incitar as nações à guerra umas contra as outras; pois pode assim desviar o espírito do povo da obra de preparo para estar em pé no dia de Deus. Satanás também opera por meio dos elementos a fim de recolher sua colheita de almas desprevenidas. Estudou os segredos dos laboratórios da Natureza, e emprega todo o seu poder para dirigir os elementos tanto quanto o permite Deus. Quando lhe foi permitido afligir a Jó, quão rapidamente rebanhos e gado, servos, casas, filhos, foram assolados, seguindo-se em um momento uma desgraça a outra! É Deus que protege as Suas criaturas, guardando-as do poder do destruidor. Mas o mundo cristão mostrou desdém pela lei de Jeová; e o Senhor fará exatamente o que declarou que faria: retirará Suas bênçãos da Terra, removendo Seu cuidado protetor dos que se estão rebelando contra a Sua lei, e ensinando e forçando outros a fazerem o mesmo. Satanás exerce domínio sobre todos os que Deus não guarda especialmente. Ajudará e fará prosperar alguns, a fim de favorecer os seus próprios intuitos; trará calamidade sobre outros, e levará os homens a crer que é Deus que os aflige.” Grande Conflito, 589.

TERÇA-FEIRA (15 de novembro) DESTINOS INJUSTOS – Deus mostra um dos motivos do sofrimento humano. Veja este texto: “O tempo e o imprevisto sobrevêm a todos.” Ecles. 9:11. O que pode acontecer com uma pessoa de bom ou de mal vai depender muito de onde ela estará no momento. Na época de Jesus, Ele falou sobre uma tragédia que tirou a vida de 18 pessoas quando uma torre caiu sobre elas. Ler Lucas 13:1-5. Essas pessoas não morreram por causa da forma como levavam a sua vida; elas simplesmente estavam no lugar errado e na hora errada. Em janeiro de 2010, um terremoto devastou o Haiti e o governo informou que 300 mil pessoas morreram. Entre os mortos havia tanto pessoas boas como más. Ainda outro exemplo são as doenças, que podem afligir qualquer pessoa em qualquer momento.

A lição de hoje menciona sobre as recompensas injustas que as pessoas recebem. Quando falamos sobre recompensa, pensamos logo nas coisas boas, mas sabemos que nem sempre as pessoas boas recebem o bem. Jó mesmo é um exemplo disso. Veja como o texto de hoje fala da pecaminosidade do ser humano relacionada com o sofrimento: “Será que alguém pode ser puro? Poderá alguma pessoa ser correta diante de Deus? Se Deus não confia nos anjos, e se nem o céu é puro aos seus olhos, que diremos do ser humano, imundo e nojento, que bebe o pecado como se fosse água? Jó 15:14-16.

A lição de hoje toca em pontos muito sérios para nós, onde ficamos sem argumentos em algumas situações. Por aí vemos que explicar a origem do sofrimento não é tão simples como parece. O que dizer de algum sofrimento que, aparentemente, não nos traz benefícios às pessoas? O que dizer das pessoas que morrem precocemente e não tem tempo para ter o seu caráter purificado por Deus? O que dizer de pessoas que sofrem e morrem sem terem ouvido falar de Deus? O que dizer de pessoas que sofrem e se tornam ainda piores e se opõem contra Deus? O que dizer de milhares de pessoas que morrem em catástrofes naturais? O que dizer de animais que morrem em incêndios florestais?  Se ignorarmos estas situações estaríamos sendo iguais aos amigos de Jó, colocando todos no mesmo lugar, no castigo de Deus.

O livro de Jó mostra que os filhos, servos e animais do patriarca também morreram. Veja este texto: “E deram sobre eles os sabeus, e os tomaram, e aos servos feriram ao fio da espada; e só eu escapei para trazer-te a nova. Estando este ainda falando, veio outro e disse: Fogo de Deus caiu do céu, e queimou as ovelhas e os servos, e os consumiu, e só eu escapei para trazer-te a nova. Estando ainda este falando, veio outro, e disse: Ordenando os caldeus três tropas, deram sobre os camelos, e os tomaram, e aos servos feriram ao fio da espada; e só eu escapei para trazer-te a nova.” Jó 1:15-17. 

Podemos perguntar: Deus não poderia impedir que as tragédias acontecessem? Ele não poderia proteger as pessoas boas? Para fazer isso, Deus teria de saber com antecedência quando coisas ruins vão acontecer. Embora Deus seja onisciente e tem a capacidade de saber o futuro, nem sempre Ele usa o Seu poder para impedir certas coisas: “Eis que as primeiras coisas já se cumpriram, e as novas eu vos anuncio, e, antes que venham à luz, vo-las faço ouvir.” Isaías 42:9

O que dizer de Estevão, Paulo, Tiago, João Batista e muitos outros que morreram como mártires em favor de Cristo? O que dizer também de pessoas más que viveram e vivem bem nesta vida? Em assunto de sofrimento, Deus usa o Seu poder apenas quando julga necessário. Ele é Deus e faz e permite aquilo que lhe apraz e, nós, mesmo não entendendo, devemos portar-nos como Jó; confiar em Deus e esperar a resposta.

Embora não entendemos bem sobre o porquê do sofrimento e nem o aceitamos, sabemos perfeitamente que Deus tem um fim reservado para cada um dos Seus filhos. Todos vão comparecer diante do tribunal de Deus e serão julgados segundo as suas obras. Os salvos vão ganhar a vida eterna e os perdidos sofrerão a separação e morte eterna. A única maneira de evitarmos a condenação eterna e termos um destino justo é através de Jesus Cristo. Ver Romanos 8:1 e Hebreus 7:24 e 25.

“Porque todos devemos comparecer ante o tribunal de Cristo, para que cada um receba segundo o que tiver feito por meio do corpo, ou bem, ou mal.” II Cor. 5:10

“Porque Deus há-de trazer a juízo toda a obra, e até tudo o que está encoberto, quer seja bom, quer seja mau.” Eclesiastes 12:14.

QUARTA-FEIRA (16 de novembro) SUFICIENTE PARA O DIA – Embora a fidelidade a Deus possa trazer benefícios imediatos, com certeza, em algum momento da vida os fiéis também são acometidos de algum tipo de sofrimento. O próprio Jesus falou da existência do mal na nossa vida quando disse: “Não vos inquieteis, pois, pelo dia de amanhã, porque o dia de amanhã cuidará de si mesmo. Basta a cada dia o seu mal.” Mateus 6:34. Aqui, Jesus estava dizendo para gerirmos as coisas do hoje e para não ficarmos preocupados com o dia de amanhã, pois o amanhã também trará o seu mal. As dificuldade do presente já nos bastam!

Seria muito bom se, especialmente, as pessoas fiéis a Deus e aos Seus mandamentos não passassem por sofrimento e dor, mas isso não acontece. Então, cabe a cada um de nós vivermos um dia de cada vez. Veja como os textos de hoje ressaltam o sofrimento humano: “Estando ainda este falando, veio outro, e disse: Estando teus filhos e tuas filhas comendo e bebendo vinho, em casa de seu irmão primogênito, eis que um grande vento sobreveio dalém do deserto, e deu nos quatro cantos da casa, que caiu sobre os jovens, e morreram; e só eu escapei para trazer-te a nova. Então Jó se levantou, e rasgou o seu manto, e rapou a sua cabeça, e se lançou em terra, e adorou.” Jó 1:18-20.

“E falou Caim com o seu irmão Abel; e sucedeu que, estando eles no campo, se levantou Caim contra o seu irmão Abel, e o matou.” Gênesis 4:8.

“E aconteceu, à meia-noite, que o Senhor feriu a todos os primogênitos na terra do Egito, desde o primogênito de Faraó, que se sentava em seu trono, até ao primogênito do cativo que estava no cárcere, e todos os primogênitos dos animais. E Faraó levantou-se de noite, ele e todos os seus servos, e todos os egípcios; e havia grande clamor no Egito, porque não havia casa em que não houvesse um morto.” Êxodo 12:29,30.

“E, saindo os homens da cidade, e pelejando com Joabe, caíram alguns do povo, dos servos de Davi; e morreu também Urias, o heteu.” II Samuel 11:17. Ver também os outros casos nos textos seguintes; Jeremias 38:6, Mateus 14:10 e Hebreus 11:35-38.

Se Deus é bom, por que o mal não atinge somente os maus? Por estarmos no mundo de pecados, tanto os bons como os maus estão expostos ao sofrimento, mas, é certo que Deus oferece uma proteção especial aos fiéis: “O anjo do Senhor acampa-se ao redor dos que o temem, e os livra.” Salmos 34:7. O sofrimento é variado e pode ser nos aspectos; físico, emocional, psicológico como o medo; ansiedade, humilhação, desprezo, solidão, perda de um ente querido, remorso, a destruição do casamento e espiritual

E quando o sofrimento persiste em permanecer com os fiéis? Deus não nos poupa do sofrimento, mas caminha conosco no sofrimento, trabalha as circunstâncias dolorosas da nossa vida, as direciona para o nosso bem e transforma as circunstâncias adversas em benefício para Seus filhos. Veja estes textos maravilhosos: “Mas agora, assim diz o Senhor que te criou, ó Jacó, e que te formou, ó Israel: Não temas, porque eu te remi; chamei-te pelo teu nome, tu és meu. Quando passares pelas águas estarei contigo, e quando pelos rios, eles não te submergirão; quando passares pelo fogo, não te queimarás, nem a chama arderá em ti. Porque eu sou o Senhor teu Deus, o Santo de Israel, o teu Salvador; dei o Egito por teu resgate, a Etiópia e a Seba em teu lugar.” Isaías 43:1-3

“Ainda que eu ande pelo vale da sombra da morte, não temerei mal nenhum, porque tu estás comigo; o teu bordão e o teu cajado me consolam.” Salmo 23:4

“Bem-aventurado o homem cuja força está em ti, em cujo coração estão os caminhos aplanados. Que, passando pelo vale árido, faz dele uma fonte; a chuva também enche os tanques.” Salmo 84:5,6.

“Se vos entregastes a Deus, para fazer a Sua obra, não precisais estar ansiosos pelo dia de amanhã. Aquele de quem sois servo, conhece o fim desde o princípio. Os acontecimentos do amanhã, ocultos a vossos olhos, acham-se à vista dAquele que é onipotente. Quando tomamos em nossas mãos o manejo das coisas com que temos de lidar, e confiamos em nossa própria sabedoria quanto ao êxito, chamamos sobre nós um fardo que Deus não nos deu, e estamos a levá-lo sem Sua ajuda. Estamos tomando sobre nós mesmos a responsabilidade que pertence a Deus, pondo-nos, na verdade, assim, em Seu lugar. Podemos bem ter ansiedade e antecipar perigos e perdas; pois isto é certo sobrevir-nos. Mas quando deveras acreditamos que Deus nos ama, e nos quer fazer bem, cessamos de afligir-nos a respeito do futuro. Confiaremos em Deus assim como uma criança confia em um amoroso pai. Então desaparecerão nossas turbações e tormentos; pois nossa vontade fundir-se-á com a vontade de Deus. Cristo não nos deu promessa alguma de auxílio para quando levarmos hoje os fardos de amanhã. Disse Ele: “Minha graça te basta” (2 Coríntios 12:9); mas, como o maná dado no deserto, Sua graça é concedida diariamente, para a necessidade do dia. Como as hostes de Israel em sua vida de peregrinos, encontraremos manhã após manhã o pão do Céu para a provisão do dia.” O Maior Discurso de Cristo, 100 e 101.

QUINTA-FEIRA (17 de novembro) COISAS NÃO VISTASEste é o texto principal para o estudo de hoje: “Confia no Senhor de todo o teu coração, e não te estribes no teu próprio entendimento.” Provérbios 3:5. A lição de hoje apela-nos para confiarmos em Deus mesmo não entendendo muito bem as provações pelas quais os crentes passam. Jó 14:1-2 auxilia na compreensão deste tema: O homem, nascido da mulher, é de poucos dias e farto de inquietação. Sai como a flor, e murcha; foge também como a sombra, e não permanece.” Jó 14:1,2.

Mesmo sabendo que é o diabo que dá origem ao sofrimento, fica difícil compreender porque algumas coisas ruins acontecem.  A Bíblia é realista quando fala do problema do sofrimento. A Bíblia dedica o livro de Jó todo para tentar explicar o sofrimento. O livro trata de um homem chamado Jó e começa com uma cena no céu que fornece-nos um pano de fundo ao seu sofrimento. Jó sofre porque Deus debateu com Satanás, mas até onde sabemos, Jó e seus amigos nunca estavam cientes disso. Eles tiveram dificuldades de entender o sofrimento. Embora seja mais fácil para nós, este tema sempre causa-nos inquietação e falta de argumentos, pois; o que dizer de coisas más que acontecem e não conseguimos explicar e nem aceitar?

Qual é a verdadeira resposta ao sofrimento humano? Jó manteve-se em silencio diante do sofrimento que lhe foi imposto, pois ele não sabia muito do sofrimento que lhe afligia, mas conhecia Deus. A resposta silenciosa de Jó não diminui a dor perdas tão intensas que suportou tão pacientemente. Em vez disso, Jó mostra-nos a importância de confiar nos propósitos de Deus em meio ao sofrimento, mesmo quando não sabemos porquê sofremos. O sofrimento e a dor são permitidos pela sabedoria de Deus. No final, aprendemos que talvez nunca saberemos o motivo específico para o nosso sofrimento, mas temos de confiar em nosso Deus, Criador, Mantenedor e Salvador. Essa é a verdadeira resposta ao sofrimento.

Encontramos na vida de José alguém que também sofreu, sem causas visíveis. Ele foi vendido como escravo por seus próprios irmãos. Quando no Egito, ele foi acusado de adultério e foi colocado na prisão. Como resultado do sofrimento e perseverança, José foi mais tarde promovido à governador do Egito. Ele se encontrava em uma posição para fazer provisão às nações do mundo durante um período de fome, incluindo sua própria família. Em Romanos 8:28 contém algumas palavras de conforto para aqueles que passam por dificuldades e sofrimento: "Sabemos que todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito." Deus usa todas as circunstâncias e eventos em nossa vida, até mesmo o sofrimento e tentação para realizarem o nosso bem tanto temporal e eterno.

Davi também suportou muito sofrimento em seu tempo, e isso se reflete em muitos dos seus poemas relatados no livro de Salmos. No Salmo 22, ouvimos a angústia de Davi: "Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste? Por que se acham longe de minha salvação as palavras de meu bramido? Deus meu, clamo de dia, e não me respondes; também de noite, porém não tenho sossego. Contudo, tu és santo, entronizado entre os louvores de Israel. Nossos pais confiaram em ti; confiaram, e os livraste. A ti clamaram e se livraram; confiaram em ti e não foram confundidos. Mas eu sou verme e não homem; opróbrio dos homens e desprezado do povo. Todos os que me veem zombam de mim; afrouxam os lábios e meneiam a cabeça: Confiou no Senhor! Livre-o ele; salve-o, pois nele tem prazer."

É interessante que a crença em um Deus Criador dos Céus, da terra e de todas as coisas, é a única cosmovisão que pode explicar devidamente o problema do mal e do sofrimento. Os cristãos servem a um Deus que viveu na terra e sofreu tentações, fome, sede, perseguição e até mesmo morte de cruz. A cruz de Cristo pode ser considerada a manifestação final da justiça de Deus. Quando perguntado o quanto Deus Se preocupa com o problema do mal e do sofrimento, o cristão pode apontar para a cruz e dizer: - Deus Se preocupa muito comigo e cuida de mim. Jesus sofreu a rejeição de Deus, dizendo: "Meu Deus, Meu Deus, por que me abandonaste?" Ele experimentou o mesmo sofrimento pelo qual muitas pessoas inocentes passam hoje, as quais se sentem isoladas do favor e amor de Deus. Como explicar isso?

Por que quando você mais necessita ouvir a voz de Deus, Ele parece estar longe? Na verdade, não existe resposta pronta para esta questão. O silêncio de Deus para minha vida pode ser uma resposta para outras pessoas. Já pensou nisso? Veja nestes textos como outros personagens da Bíblia sofreram com o aparente silêncio de Deus: “Ó Deus, não estejas em silêncio; não te cales, nem te aquietes, ó Deus.” Salmo 83:1. Sal. 10:1; Sal. 13:1; Sal. 27:9; Sal. 55: 1 e Sal. 89:46.

Moisés, por exemplo; nascido no Egito, foi levado pela filha de Faraó para sobreviver, foi criado na cultura egípcia e, depois que matou um homem, saiu do palácio e ficou 40 anos no deserto de Midiã sem entender o silêncio de Deus. Porque Deus Se calou para Moisés durante tantos anos? A maneira de Deus agir é totalmente diferente da nossa. O silêncio faz parte do projeto de Deus para a vida dos Seus filhos, determina nossa dependência dele e revela nossa humanidade e não nossa divindade. É no silêncio de Deus que nossa dependência dele se exterioriza. É no silêncio de Deus que damos nossos gritos. Algumas pessoas, pelo fato de Deus calar-se por um tempo, ficam desesperadas. Jó não entendeu o silêncio de Deus, mas soube aguardar a resposta de Deus, e, no final, foi feliz! O crente é chamado para acreditar naquilo que não vê: “Ora, a fé é o firme fundamento das coisas que se esperam, e a prova das coisas que se não vêem.” Hebreus 11:1

SEXTA-FEIRA (18 de novembro) LEITURA ADICIONAL DA LIÇÃO 8 (4º trimestre 2016) SANGUE INOCENTE - O apóstolo Paulo sofria com um espinho na carne e era, provavelmente, alguma deficiência visual, que a bíblia não explica, e três vezes ele orou para que o Senhor removesse aquele problema que chamou de espinho na carne. Por que Deus não atendeu Paulo? Deus lembrou Paulo que o problema era para que ele não se tornasse orgulhoso e não se ensoberbecesse com a grandeza das revelações que havia recebido, exaltando a si mesmo. Mas, Deus não deixou Paulo sem auxílio para sofrer sozinho. Deus lhe assegurou que a graça que lhe tinha sido dada lhe bastava.

Deus é glorificado quando o Seu poder não é usado para exibições. Veja o texto mencionado: “E, para que não me exaltasse pela excelência das revelações, foi-me dado um espinho na carne, a saber, um mensageiro de Satanás para me esbofetear, a fim de não me exaltar. Acerca do qual três vezes orei ao Senhor para que se desviasse de mim. E disse-me: A minha graça te basta, porque o meu poder se aperfeiçoa na fraqueza. De boa vontade, pois, me gloriarei nas minhas fraquezas, para que em mim habite o poder de Cristo. Por isso sinto prazer nas fraquezas, nas injúrias, nas necessidades, nas perseguições, nas angústias por amor de Cristo. Porque quando estou fraco então sou forte. II Coríntios 12:7-10. 

Sempre que somos tentados a duvidar de Deus, diante do sofrimento, devemos confiar em Deus e descansar nele. O Seu propósito no sofrimento sempre trará glória a Ele e abundará de bênçãos para os fiéis, como a Jó. Quando estamos sob sofrimento intenso, sentimos como se não pudéssemos mais seguir em frente. Mas Deus nos lembra que não há sofrimento ou provação pelo qual um crente passe que alguém não tenha passado antes de nós. Veja este texto: Ao qual resisti firmes na fé, sabendo que as mesmas aflições se cumprem entre os vossos irmãos no mundo.” I Pedro 5:9.

 Alguns crentes já sofreram a dor que não podia ser aliviada pela medicina moderna. Outros filhos de Deus sofreram perseguições e mortes horríveis nas mãos dos inimigos de Deus. Outros fiéis têm sido solitários e abandonados; alguns foram presos e martirizados por seu testemunho. Sendo assim, certamente não estamos sozinhos.

O sofrimento tem propósitos redentivos na vida do crente. O filho de Deus quando sofre é para depender mais de Deus e para ter o caráter desenvolvido para a eternidade. O sofrimento dá às pessoas resistência, paciência e sabedoria para enfrentar os desafios da vida. O psicólogo Vitor Goertzel e sua esposa Mildred escreveram um livro intitulado Berços da Eminência, no qual estudaram 400 personagens eminentes, como Winston Churchill, Albert Schweitzer e Liev Tolstói, na tentativa de descobrir o que contribuiu para sua excelência. Concluíram que a maioria vinha de ambientes e lares cheios de problemas. Eles souberam dar a volta aos problemas e saíram vitoriosos.

Na Bíblia, encontramos heróis que sofreram muito. Ver a lista em Hebreus 11. Aquelas pessoas sofreram perdas terríveis, inclusive algumas foram mártires, mas desenvolveram resiliência, deram a volta por cima e conseguiram superar e sobreviver aos problemas. Eles confiaram em Deus e se tornaram exemplos de superação. Qual seria o fim de Jó ,caso ele tivesse desistido de Deus? 

Jesus é o maior exemplo de paciência diante do sofrimento, Ele sofreu, morreu, ressuscitou, foi glorificado, cumprindo a Sua missão de nos salvar. Os exemplos de Cristo e de Jó motivam-nos a superarmos os problemas desta vida, pois depois desta vida Deus tem preparado algo melhor para nós: “Mas agora desejam uma melhor, isto é, a celestial. Por isso também Deus não se envergonha deles, de se chamar seu Deus, porque já lhes preparou uma cidade.” Hebreus 11:16.


Luís Carlos Fonseca

3 comentários:

  1. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar
  2. Amo de paixão esses comentários. Deus abençoe o Luiz e demais comentaristas que houverem, pois nos ajudam bastante esse trabalho. Grato!

    ResponderEliminar